APOSTILA DE INSTRUÇÃO PARA O VERDADEIRO APRENDIZ – Parte 4

APÓS RECEBER A LUZ.

Share on whatsapp
Share on twitter
Share on facebook
Share on google
Share on linkedin
Share on email
Juramento sobre o livro da Lei

Esse resumo de perguntas e respostas deve também ser indicativo de estudo para e aprofundamento pessoal do comportamento de cada um.

P – Ao receber a Luz, o que mais impressiona o candidato no primeiro momento?

R – As espadas desembainhadas por todos os irmãos presentes e que estão apontadas para ele.

P – O que significa essas espadas apontadas em sua direção?

R – Significa que não somente aquelas espadas, mas, centenas de milhares de outras que se acham espalhadas e ocultas pelo mundo, estão prontas a socorrê-lo, se for um bom Maçon e respeitador das Leis Maçônicas, mas também, serão os vingadores da Ordem e da Virtude, se o Maçom se tornar culpado e perjuro.

P – Depois o que se faz?

R – Conduz o candidato ao Trono do Venerável, que desce o primeiro degrau, encosta as pontas do compasso no peito do iniciado, dizendo; “Aprendei a ser exato e justo como as pontas deste compasso ensinam; Tenhas em vosso coração e pratique sempre o bem”.

Depois pegando na Espada Flamígera e no Malhete, bete três pancadas sobre cada ombro  e, por fim, sobre a cabeça do iniciado, declarando-o Aprendiz de Maçon.

P – O que é que significa a Espada flamígera?

R – É o emblema da Justiça  do Ser Supremo, que, durante as tempestades do firmamento, faz cai sobre o planeta os raios de sua cólera, iluminando com verdadeiras labaredas de fogo todo o espaço percorrido, causando assombro e relembrando aos mortais que, acima do mais altamente colocado, existe uma força portentosa que pode reduzir a cinzas qualquer um, em um simples segundo de tempo.

P – Será essa a única significação da Espada flamígera?

R – Não. Indica também que, empunhada pelo Venerável Mestre naquele momento, ela representa a força da Maçonaria que é disseminada por toda terra e que pode, por um minuto, fulminar o Maçon que se tornar perjuro.

P – Quais as instruções que recebe o novo iniciado no começo?

R – Os três passos de Aprendiz, sinais e palavras.

P – Feito isso que mais vê o novo iniciado?

R – As três Luzes menores da Maçonaria.

P – Onde se acham essas Luzes?

R – No Oriente, Setentrião e Ocidente.

P – Com que fim?

R – Não somente para demonstrar o curso do Sol que nos aparece no Oriente e alcança o seu Meridiano no Setentrião e fica oculto para nós no Ocidente.

Como também para ilustrar o homem que deve despertar com o astro do dia, trabalhar até ele se ocultar, indo depois descansar e ficar em profunda meditação sobre as três forças da Natureza.

P – Por que não existe nenhuma Luz ao Norte?

R – Com pouquíssima iluminação, essa parte do globo, o Astro-Rei não derrama seus raios de Luz nesse ponto de nosso hemisfério.

P – O que representa ainda essas três Luzes?

R – O sol, A Lua e o Venerável da Loja.

P – Para que?

R – O sol para determinar o dia na sua passagem; a Lua para significar que à noite, toda a natureza diminui de intensidade e recobra forças para recomeçar na manhã seguinte, e o Venerável Mestre dirige os trabalhos dia e noite entre os Maçons de sua Loja.

P – Quem lhe dá essa autoridade e essa força?

R – O Venerável Mestre está no Oriente, sobre o Trono e logo, abaixo do Delta.

Nessa posição, representa a Natureza inteira em todas as suas manifestações. Achando-se assim integrado com toda a criação, age como entidade soberana, podendo fazer cessar a Luz entre os Maçons reunidos e estes, em estado de completa cegueira, nada podem fazer.

P – Como pode o Venerável fazer cessar a Luz, produzindo a cegueira entre os Maçons reunidos?

R – Com um simples golpe de Malhete, suspendendo ou encerrando os trabalhos da Loja.

P – Explicai essa comparação do Venerável, cm o Sol e a Lua?

R – Assim como o homem cumpre os seus deveres da vida social sob a ação benfeitora da Luz do Sol e da Lua, do mesmo modo os Maçons cumprem os deveres que a Ordem impõe, com o auxílio, os cuidados e as instruções do Venerável Mestre.

P – Há pouco falaste em Delta; o que significa isso na Maçonaria?

R – É o Triângulo fulgurante que fica sob o docel, acima do Trono onde se acha sentado o Venerável Mestre e entre os dois astros luminosos, o Sol e a Lua.

P – O que é que representa esse Triângulo fulgurante?

R – Representa a maior de todas as forças, é o Sumo Criandor.

P – Como assim?

R – O Triângulo, com o seu ápice para o alto, todo iluminado e tendo ao centro a figura de um olho irradiando cintilações em todos os sentidos, colocado entre o Astro-REI E A Lua, chamado comumente – “O ÔLHO DA PROVIDÊNCIA” – SIMBOLIZA TODOS OS ATRIBUTOS DA Divindade, a Onividência, a Onipresença e a Onisciência, é o Todo Poderoso, enfim. O Supremo Arquiteto do Universo.

P – O que significa ainda, para o Maçon, esse Augusto Símbolo?

R – Recorda-lhe que, sendo o Grande Arquiteto Onipresente, está em toda a parte; Onividente, que vê tudo; e Onisciente, que sabe tudo; e assim, o Maçon nada pode ocultar, porque o Triângulo luminoso penetra fundo na consciência de todos.

P – Tem ainda outras interpretações o Delta Luminoso, segundo a simbologia Maçônica?

R – Sim, e cada qual a mais bela e mais gloriosa, conforme é mais elevado o grau dos Maçons que se reúnem sob a Sublime e Soberana égide do Triângulo fulgurante.

P – Muito Bem. Como pode, um Maçon estranho a uma Loja, dar entrada no Templo?

R – Por meio de sinais, toques e palavras.

Carlos Lima

(Aguarde a continuação)

OUTRAS NOTÍCIAS