Tempo - Tutiempo.net

Astrônomos afirmam que ‘buraco negro’ mais próximo da Terra não é o que pensavam

Sociedade e cotidiano Hubble flagra interação de galáxias peculiares com buraco negro supermassivo e anel brilhante (

Cientistas concluíram que o buraco negro a meros 1.120 anos-luz da Terra parece ser, na verdade, um sistema de duas estrelas onde uma delas está sugando a outra.

Identificado pela primeira vez na década de 1980, presumia-se que o objeto cósmico, conhecido como HR 6819, fosse um único objeto de giro rápido chamado estrela Be. Um olhar mais atento à sua luz décadas depois revelou que tinha um parceiro relativamente perto, orbitando-o uma vez a cada 40 dias.

Em 2020, pesquisadores do Observatório Europeu do Sul (ESO, na sigla em inglês) argumentaram que a estrela Be deveria estar oscilando mais do que estava, o que poderia sugerir que uma massa invisível adicional estaria jogando seu peso no conjunto.

Estudos desde então lançaram dúvidas sobre a hipótese de ser um buraco negro, sugerindo, no entanto, que o parceiro poderia ter muito menos massa do que a usada em seus cálculos.

Uma estrela mais leve não teria a força para tirar a estrela Be da linha, tornando redundante qualquer noção de um terceiro objeto.

Diante disso, duas equipes de investigadores, incluindo cientistas da equipe original do ESO, somaram esforços para recolher os dados necessários para definir uma hipótese definitiva sobre o caso.

A principal diferença entre os dois cenários era uma questão de espaço. Se houvesse três objetos – um buraco negro invisível, uma estrela brilhante principal e uma estrela Be radiante – a distância que separa os dois objetos brilhantes seria respeitável.

Se houver apenas os dois objetos, eles só precisariam ser separados por uma pequena fração dessa distância.

“Tínhamos chegado ao limite dos dados existentes, então tivemos que recorrer a uma estratégia observacional diferente para decidir entre os dois cenários propostos pelas duas equipes”, disse a pesquisadora e astrofísica da Katholieke Universiteit Leuven, na Bélgica, Abigail Frost.

A estratégia envolveu o uso do Very Large Telescope (VLT) do ESO e de uma ferramenta de comparação de luz no Very Large Telescope Interferometer (VLTI).

Os instrumentos do VLT descobriram que não havia nada brilhando na distância mais ampla. O VLTI confirmou, em vez disso, que as estrelas ficam bem próximas uma da outra. Isto significa que nenhum buraco negro é necessário no modelo.

Trata-se apenas de duas estrelas binárias comuns na fase em que uma drenou até mesmo sua atmosfera, como um “vampiro cósmico”.

“Atingir uma fase pós-interação é extremamente difícil, pois é muito curta”, diz Frost.

“Isso torna nossas descobertas sobre o HR 6819 muito empolgantes, pois apresenta um candidato perfeito para estudar como esse vampirismo afeta a evolução de estrelas massivas e, por sua vez, a formação de seus fenômenos associados, incluindo ondas gravitacionais e violentas explosões de supernovas.”

Astronomy & Astrophysics e Science Alert

Share on whatsapp
Share on twitter
Share on facebook
Share on google
Share on linkedin
Share on email

OUTRAS NOTÍCIAS