Tempo - Tutiempo.net

Ativista ucraniano explica como os EUA usam a Ucrânia como “bucha de canhão”

Ativista ucraniano explica como os EUA usam a Ucrânia como “bucha de canhão”

Eu sou um ucraniano-americano. Cresci e passei mais da metade da minha vida na Ucrânia, embora agora more nos Estados Unidos. Eu queria expor meus pensamentos sobre a crise em andamento com a Rússia, porque os principais meios de comunicação corporativos nunca compartilham perspectivas como a minha.

É definitivamente um momento estressante, por razões óbvias. Felizmente, minha família e amigos no país estão vivos e indo bem o suficiente, dadas as circunstâncias.

Infelizmente, na última década, esta não é a primeira vez que tive que checar meus entes queridos lá, e basicamente pelos mesmos motivos. É sobre isso que eu queria falar.

O governo dos EUA se intrometeu na Ucrânia por décadas. E o povo ucraniano sofreu por causa disso.

O apoio esmagador que os governos e meios de comunicação ocidentais deram à Ucrânia desde a invasão da Rússia em 24 de fevereiro não é realmente motivado pela preocupação com o povo ucraniano.

Eles estão nos usando para promover seus interesses políticos e econômicos.

EUA derrubaram governos ucranianos

Sabemos disso porque Washington derrubou nosso governo duas vezes em uma década, impôs políticas econômicas neoliberais que tornaram nosso país o mais pobre da Europa e alimentou uma guerra civil devastadora que nos últimos oito anos tirou a vida de 14 mil ucranianos e feriu e deslocou muito mais.

Os seguintes fatos não são mencionados pela mídia, pois contradizem os objetivos de política externa do governo dos EUA.

Portanto, a menos que você esteja ativamente engajado no movimento anti-guerra, as informações abaixo provavelmente são novas para você. Por isso quis escrever este artigo.

O primeiro golpe

O primeiro golpe brando apoiado pelos EUA na Ucrânia ocorreu em 2004, quando o candidato presidencial apoiado pelo Ocidente, Viktor Yushchenko, perdeu a eleição. O vencedor da votação de novembro de 2004, Viktor Yanukovych, foi retratado como pró-Rússia.

Os governos ocidentais se recusaram a reconhecer sua vitória e declararam fraude eleitoral.

“Revolução Laranja”: Eles forçaram outro segundo turno em dezembro, no qual seu candidato Yushchenko foi eleito presidente.

Em um relatório chocantemente honesto de 2004 intitulado “A campanha dos EUA por trás da turbulência em Kiev”, o jornal britânico The Guardian admitiu que a “Revolução Laranja” foi “uma criação americana, um exercício sofisticado e brilhantemente concebido em branding ocidental e marketing de massa”, financiada com pelo menos US$ 14 milhões.

“Financiada e organizada pelo governo dos EUA, empregando consultorias, pesquisadores, diplomatas, os dois grandes partidos americanos e organizações não governamentais dos EUA”, a campanha tentou derrubar governos “em quatro países em quatro anos”, gabou-se o The Guardian, citando Sérvia, Geórgia, Bielorrússia e Ucrânia.

“A campanha dos EUA por trás do tumulto em Kiev”, diz matéria do jornal britânico The Guardian

Presidente apoiado pelos EUA teve a menor aprovação da história

Assim como nos Estados Unidos, os presidentes ucranianos são nomeados e governam no interesse de oligarcas ricos, de modo que nenhum presidente ucraniano termina seu mandato com uma aprovação particularmente alta.

Yushchenko, apoiado pelos EUA, no entanto, estabeleceu um novo recorde para o menor apoio popular da história.

Na eleição presidencial seguinte, em 2010, Yushchenko obteve apenas 5% dos votos. O resultado deve dar uma ideia do quão popular ele realmente era.

Durante seu primeiro mandato, o ucraniano implementou um programa de austeridade, reduziu os gastos sociais, socorreu grandes bancos, desregulamentou a agricultura. Também defendeu a adesão à Otan e reprimiu os direitos de minorias linguísticas como os falantes de russo.

O segundo golpe
O segundo golpe de Estado apoiado pelos EUA na Ucrânia foi lançado no final de 2013 e consolidou o poder em 2014, apenas uma década após o primeiro.

Viktor Yanukovych, que era frequentemente chamado de pró-Rússia pela mídia ocidental, mas na realidade era apenas neutro, venceu as eleições presidenciais de 2010 de forma justa.

Mas em 2013, Yanukovych se recusou a assinar um Acordo de Associação da União Europeia que teria sido um passo para integrar a Ucrânia à UE.

Para fazer parte desse programa, Bruxelas exigiu que Kiev impusesse um ajuste estrutural neoliberal, vendendo ativos do governo e dando ao Fundo Monetário Internacional (FMI), liderado por Washington, ainda mais controle sobre os gastos do Estado ucraniano.

Yanukovych rejeitou isso por uma oferta mais favorável da Rússia. Então, mais uma vez, organizações apoiadas pelo Ocidente levaram seus apoiadores à Praça Maidan, em Kiev, para derrubar o governo.

Como foi o caso durante a “Revolução Laranja” em 2004, os Estados Unidos enviaram políticos para se encontrarem com os líderes das manifestações, e depois com os líderes do golpe, no final de 2013 e início de 2014. Os senadores americanos John McCain, Chris Murphy e outros discursaram para grandes multidões em Maidan.

“John Mc Cain foi à Ucrânia e subiu em palanque com homem acusado de ser neonazista antissemita”, diz reportagem do Insider

EUA apoiaram extrema-direita na Ucrânia

Em algum momento, o controle do palco e a liderança dos protestos foram ultrapassados ​​por forças de extrema-direita. Líderes de organizações como Svoboda (um partido neonazista) e Right Sector (uma coalizão de organizações fascistas) dialogavam com os manifestantes.

Às vezes, ficavam lado a lado com seus apoiadores americanos como McCain.

Mais tarde, suas organizações atuaram como a lança de ataque contra a polícia ucraniana no violento golpe de estado de fevereiro de 2014.

Foram as primeiras a invadir prédios do governo. Com o sucesso das forças fascistas apoiadas pelos EUA, o presidente Yanukovych fugiu do país para a Rússia.

Autoridades do governo dos EUA se reuniram com líderes golpistas e nomearam um neoliberal de direita, Arseniy Yatsenyuk, para liderar o novo regime, porque reconheceram que não poderiam nomear os fascistas e manter a legitimidade.

Uma gravação vazada de um telefonema entre Victoria Nuland, secretária de Estado adjunta para assuntos europeus e euro-asiáticos, e o embaixador dos EUA em Kiev, Geoffrey Pyatt, mostrou que Washington escolheu quem seriam os líderes do novo regime golpista. Nuland se referiu carinhosamente a Yatsenyuk como “Yats”, dizendo: “Yats é o cara”.

A chegada do governo golpista

As primeiras ações do governo golpista pós-2014 foram banir partidos de esquerda no país e reduzir ainda mais os direitos das minorias linguísticas.

Em seguida, fascistas ucranianos atacaram manifestações anti-golpe nas ruas de todo o país.

Enquanto os protestos anti-golpe eram violentamente interrompidos pela extrema-direita, duas áreas no leste do país, Donetsk e Luhansk, declararam independência da Ucrânia. O povo da Crimeia também votou para deixar a Ucrânia e se juntar à Rússia.

A Crimeia tem uma base militar russa e, sob sua proteção, eles puderam votar com segurança.

As pessoas em Donetsk e Luhansk tiveram menos sorte. O governo golpista despachou os militares para reprimir suas insurreições.

Os “batalhões de defesa territorial” da Ucrânia

No início, muitos soldados ucranianos se recusaram a atirar em seus próprios compatriotas, nesta guerra civil que seu governo apoiado pelos EUA começou.

Vendo a hesitação dos militares ucranianos, grupos de extrema direita (e os oligarcas que os apoiavam) formaram os chamados “batalhões de defesa territorial”, com nomes como Azov, Aidar, Dnipro, Tornado, etc.

Assim como na América Latina, onde esquadrões da morte apoiados pelos EUA matam políticos de esquerda, socialistas e organizadores trabalhistas, esses batalhões fascistas ucranianos foram mobilizados para liderar a ofensiva contra as milícias de Donetsk e Luhansk, matando ucranianos de língua russa.

Em maio de 2014, neonazistas e outras forças de extrema direita atacaram uma manifestação antigolpe na grande cidade de Odessa. 48 pessoas foram queimadas vivas em um prédio sindical.

Este massacre acrescentou mais combustível à guerra civil. O governo ucraniano prometeu investigar o que aconteceu, mas nunca o fez.

Bilionário apoiado pelos EUA venceu eleição pós-golpe

Após o golpe de 2014, a Ucrânia realizou uma eleição sem nenhum candidato sério da oposição. O bilionário apoiado pelo Ocidente, Petro Poroshenko, venceu.

Poroshenko era visto como o mais “moderado” da coalizão golpista de direita.

Mas isso não significou muito, considerando que muitos partidos da oposição foram banidos ou agredidos pela extrema direita quando tentaram se organizar.

Além disso, as áreas que teriam maior apoio às vozes que queriam a paz com a Rússia, como a Crimeia e o Donbas, se separaram da Ucrânia.

O novo presidente tinha a tarefa impossível de tentar parecer suficientemente patriota para a extrema-direita.

E ao mesmo tempo, suficientemente “respeitável” para que o Ocidente continuasse a apoiá-lo publicamente.

Poroshenko premiou ucranianos alinhados à Alemanha Nazista

Para apaziguar a extrema-direita, Poroshenko deu prêmios aos veteranos da Segunda Guerra Mundial “de ambos os lados”, incluindo aqueles que lutaram nas milícias alinhadas à Alemanha Nazista, como a Organização fascista dos Nacionalistas Ucranianos e o Exército Insurgente Ucraniano.

O governo ucraniano homenageou oficialmente os líderes dessas organizações, Stepan Bandera e Roman Shukevych. Eles organizaram massacres de milhares de poloneses, judeus, russos e outras minorias durante a Segunda Guerra Mundial e participaram voluntariamente do Holocausto.

O feriado do Dia dos Defensores da Ucrânia, ou Dia das Forças Armadas Ucranianas, foi alterado para 14 de outubro, para coincidir com a data de fundação do Exército Insurgente Ucraniano apoiado pelos nazistas.

É por isso que às vezes você vê distintivos vermelhos e pretos em soldados ucranianos. Este símbolo mostra apoio às forças fascistas ucranianas durante a Segunda Guerra Mundial.

(Também tenho que fazer um ponto separado, mas importante aqui: a Ucrânia era anteriormente parte da União Soviética, e a maioria da população ucraniana durante a Segunda Guerra Mundial apoiou o Exército Vermelho e resistiu ativamente à ocupação nazista de seu país.

Os colaboracionistas fascistas ucranianos e os partidos não tiveram um apoio tão amplo quanto a resistência antifascista, e foram principalmente ativos durante o período de ocupação nazista.)

Uma grande parte da guerra civil que eclodiu na Ucrânia após o golpe de 2014 foi travada sob Poroshenko.

Guerra civil em Donbas

De 2014 a 2019, em cinco anos de guerra civil em Donbas, região geográfica que engloba as repúblicas de Luhansk e Donetsk, mais de 13 mil pessoas foram mortas e pelo menos 28 mil ficaram feridas, segundo estatísticas oficiais do governo ucraniano. Isso foi anos antes da invasão da Rússia.

O exército ucraniano e seus aliados paramilitares de extrema direita foram responsáveis ​​pela grande maioria das baixas civis.

As Nações Unidas relataram em janeiro de 2022 que, entre 2018 e 2021, 81,4% de todas as baixas civis causadas por hostilidades ativas ocorreram em Donetsk e Luhansk. Estes são ucranianos de língua russa sendo assassinados por seu próprio governo. Não são forças secretas da Rússia.

Pesquisadores da RAND Corporation, patrocinada pelo governo dos EUA, reconheceram em um relatório de janeiro de 2022 na revista Foreign Policy que, “mesmo pelas próprias estimativas de Kiev, a grande maioria das forças rebeldes consiste em moradores locais – não soldados do exército regular russo”.

Enquanto isso, milhões de ucranianos fugiram do país devido ao conflito, especialmente das regiões orientais que viram a maior parte dos combates.

Por que os EUA não se importam com a Ucrânia

Os Estados Unidos apoiaram fortemente Poroshenko e o governo ucraniano enquanto travava essa guerra brutal que matou milhares, feriu dezenas de milhares e deslocou milhões.

É por isso que digo que o governo dos EUA não se importa com a Ucrânia.

Em 2019, o povo ucraniano mostrou claramente que se opunha a esta guerra votando esmagadoramente contra Poroshenko nas urnas.

O atual presidente ucraniano Volodymyr Zelensky obteve 73% dos votos, em comparação com apenas 24% para Poroshenko. Zelensky correu em uma plataforma de paz. Ele até se dirigiu às partes orientais do país em russo.

Muito rapidamente depois de assumir o cargo, porém, Zelensky mudou de tom.

Muito parecido com o supostamente “moderado” Poroshenko, Zelensky foi informado de que estava arriscando perder o apoio ocidental e a lealdade da extrema-direita, que poderia ameaçar matá-lo.

Então Zelensky fez um giro de 180 graus em sua retórica pacífica e continuou a apoiar a guerra civil.

A influência dos neonazistas nos serviços de segurança ucranianos

Aqui é importante abordar outro ponto importante: o governo ucraniano não é dirigido diretamente por fascistas. No entano, as forças fascistas têm influência significativa no estado.

Após o golpe apoiado pelos EUA em 2014, os neonazistas foram absorvidos pelo aparato militar, policial e de segurança da Ucrânia.

Portanto, embora a representação parlamentar dos partidos fascistas não seja grande (geralmente eles obtêm poucos votos nas eleições), esses extremistas continuam sendo apoiados pelo dinheiro dos contribuintes por meio de instituições estatais não eleitas.

Além disso, esses neonazistas têm a força das ruas para aterrorizar oponentes políticos. Eles podem mobilizar rapidamente dezenas ou centenas de pessoas a qualquer momento para atacar seus oponentes.

Fascistas ganharam a lealdade dos militares ucranianos

Esses fascistas são combatentes altamente motivados que garantem a lealdade dos militares ucranianos. Eles representam uma facção poderosa do espectro político ucraniano e uma das forças da sociedade ucraniana que pressiona pela escalada da guerra com as regiões separatistas e a Rússia.

Às vezes vejo pessoas tentando rejeitar esse fato dizendo: “Como a Ucrânia pode ter todos esses nazistas se seu presidente é judeu?”.

Aqui está a resposta: os nazistas não são nomeados por Zelensky.

Esses fascistas têm uma grande influência no aparato de segurança do Estado não eleito. Eles se infiltraram sistematicamente nos militares e na polícia. E ainda desfrutam de apoio e treinamento de governos ocidentais e da Otan.

Guerra civil fortaleceu fascistas na Ucrânia

A posição dos fascistas ficou substancialmente mais forte na Ucrânia nos oito anos da guerra civil, de 2014 a 2022.

Por essas razões, os presidentes ucranianos (judeus ou não) devem levar em consideração a posição da extrema-direita.

(Sem mencionar a possibilidade de que gangues extremistas possam ameaçar matar o presidente ou outros políticos se os desafiarem.)

Todas as forças que normalmente se opõem ao fascismo ou se opõem à guerra civil não existem em massa há oito anos na Ucrânia.

Após o golpe de 2014, muitos partidos de esquerda e socialistas foram banidos pelo governo ucraniano e agredidos nas ruas pelos fascistas.

Qualquer presidente ucraniano, especialmente desde o golpe, também depende muito do apoio do governo dos EUA. Então Zelensky é um refém da situação.

Zelensky é fantoche dos EUA

Quando Washington diz a Zelensky que ele deve continuar a guerra civil na Ucrânia contra suas próprias promessas eleitorais, apoiar a adesão à Otan, ignorar o acordo de Minsk II de 2015, ou mesmo pedir armas nucleares, ele faz tudo o que lhe é dito.

Como qualquer outro regime fantoche dos EUA, a Ucrânia não tem nenhuma independência real. Kiev foi ativamente pressionada a confrontar a Rússia por todos os governos dos EUA. Contra a vontade da maioria do povo ucraniano.

O fato de que a maioria dos ucranianos queria a paz com a Rússia se refletia no fato de terem votado no candidato à paz Zelensky em números tão esmagadores, 73%. E o fato de Zelensky ter feito um total de 180 nessa promessa mostra quão pouco poder político ele realmente tem.

Sanções ocidentais só prejudicarão os russos da classe trabalhadora

Não apoio a invasão que a Rússia está realizando. Mas o único governo que posso influenciar pelo fato de morar neste país é o governo dos EUA.

Felizmente, isso é extremamente relevante, porque Washington é uma das causas do que está acontecendo na Ucrânia agora.

Nos últimos oito anos, me posicionei contra o golpe e a guerra civil na Ucrânia que os Estados Unidos apoiaram, promoveram e financiaram. Embora eu nunca tenha pensado que uma guerra com a Rússia fosse possível, eu e muitos outros ucranianos somos contra a adesão da Ucrânia à Otan e a escalada das tensões com as repúblicas separatistas e Moscou.

Qualquer nova escalada dos EUA agora só pode levar a uma guerra maior. Eu até ouço alguns políticos dos EUA brincando com a ideia de uma “zona de exclusão aérea”. Isso significa que eles estão pedindo que a Otan derrube aviões russos. É o caminho mais rápido para a Terceira Guerra Mundial.

Mídia ocidental não apoia de fato o povo ucraniano

O apoio à Ucrânia que enche a mídia ocidental agora não é uma solidariedade real com o povo da Ucrânia. Se fosse esse o caso, os EUA não teriam derrubado nosso governo duas vezes em uma década; não teria apoiado as políticas que nos tornaram o país mais pobre da Europa; não teria alimentado uma guerra civil brutal nos últimos oito anos.

A razão pela qual os meios de comunicação e políticos dos EUA estão apoiando a Ucrânia agora é porque eles querem usar a população militar e civil ucraniana como bucha de canhão em uma guerra por procuração com um adversário político.

Washington está disposto a lutar até o último ucraniano para enfraquecer a Rússia. Por esta razão, sou absolutamente contra as sanções dos EUA em geral, e esta rodada de sanções dos EUA contra a Rússia em particular.

As duras sanções ocidentais impostas à Rússia visam a população civil. As medidas não afetam as elites dominantes. Todas as sanções dos EUA punem coletivamente a classe trabalhadora de um país cujo governo é odiado por Washington.

Desvalorizar a moeda russa, o rublo, é efetivamente uma forma de diminuir os salários dos trabalhadores, cortar as pensões dos aposentados e impedir que pessoas comuns tenham acesso a alimentos ou remédios.

Sanções prejudicam os próprios Estados Unidos

Isso para não mencionar o custo que essas sanções agora também estão tendo sobre as pessoas nos próprios Estados Unidos. Os preços do gás chegam até US$ 6 o galão e até US$ 7 em partes da Califórnia.

A disparada dos preços do petróleo causada por esta crise levará a mais inflação. E enquanto o número oficial de inflação dos EUA é de 7,5%, o número real provavelmente está na casa dos dois dígitos.

Tudo isso torna a vida mais difícil para os trabalhadores comuns, na Ucrânia, na Rússia, nos EUA e em todo o mundo.

O Russiagate e a xenofobia anti-russa tornaram a crise ainda pior

Outro fator na crise da Ucrânia é o aumento desenfreado da russofobia. Desde que Hillary Clinton perdeu a eleição presidencial de 2016, os democratas culparam hackers russos pela vitória de Donald Trump sem nenhuma prova sólida.

Todas as supostas evidências que eles apresentaram desmoronaram quando investigadas.

Muitos políticos dos EUA demonizaram a Rússia o máximo que puderam, apenas para jogar a culpa pela derrota de seu candidato em outra pessoa.

Agora, a invasão russa da Ucrânia em fevereiro tornou aceitável ser abertamente xenófobo. Eu até vi algumas pessoas pedindo para matar todos os russos, boicotar todos os negócios russos, revogar vistos de estudante para russos, etc.

A imprensa americana

Mesmo na mídia mais “respeitável”, se vê âncoras falando sobre o povo russo como se não fossem humanos.

Sob Donald Trump, muitas dessas mesmas pessoas demonizaram a China e depois agiram surpresas quando houve uma onda de crimes de ódio nos EUA contra os asiáticos orientais. Durante a invasão do Iraque pelos EUA, a imprensa demonizou árabes e muçulmanos. Levando a crimes de ódio contra suas comunidades.

Meu ponto é que demonizar nacionalidades nunca é aceitável. É possível ver isso através das desculpas esfarrapadas de esconder sua própria xenofobia por trás das declarações de “solidariedade” com meu país.

Para concluir

Para concluir, eu queria dizer que, se você mora nos Estados Unidos, o único governo que você pode realmente influenciar por meio de manifestações e outras formas de protesto é o nosso.

Eu absolutamente acho que é um crime agora apoiar o impulso do governo dos EUA para a guerra, sanções ou maior escalada de tensões na Ucrânia.

O governo dos EUA vem alimentando esse conflito há décadas. Washington financiou golpes e alimentou uma guerra civil na Ucrânia.

Agora, as corporações dos EUA podem se beneficiar muito com o que está acontecendo. O governo não se importa com as pessoas aqui nos EUA.

A única razão pela qual diz que se preocupa com as pessoas no exterior é para justificar mais gastos militares e avançar em suas metas de política externa – que não são boas para ninguém, exceto para um punhado de oligarcas americanos ricos.

Yuliy Dubovyk, Multipolarista

Share on whatsapp
Share on twitter
Share on facebook
Share on google
Share on linkedin
Share on email

OUTRAS NOTÍCIAS