Tempo - Tutiempo.net

Bolsonaro: até mesmo o mal tem o seu tempo certo/ Por Sérgio Jone

O chefe criminoso

O Coisa Ruim, presidente Jair Bolsonaro, que tem perpetrado tanta maldade contra o povo brasileiro e por extensão à humanidade, volta a sofrer um mal-estar e é internado às presas na noite dessa Segunda-Feira (28), no Hospital das Forças Armadas (HFA).

Há um velho e valioso provérbio chinês em que diz: “Se não se pode falar bem de alguém, não fale nada”.

Mas infelizmente, na prática, seguir tal ensinamento se torna impossível diante das barbaridades cometidas por pessoas quando, por princípio ético e moral, deveriam combate-las.

O elevado grau de psicopatia e a incapacidade de interagir com as pessoas, demonstrada pelo mandatário brasileiro e a sua forte e irretratável tendência criminosa em se identificar com assassinos e torturadores, em algum momento ele se submeterá, se é que já não está sendo submetido, a lei de causa e efeito. Afinal, o mal é tudo aquilo que se afasta do bem.

O fanfarrão e boquirroto mandatário deixou o hospital e já embarcou com assessores e ministros para o Mato Grosso do Sul na manhã da Terça-Feira (29). Se dizendo pronto para o combate. Oportunidade em que participou, na cidade de Ponta Porã de uma cerimônia de regularização fundiária.

De acordo com boletim emitido pela direção do Hospital das Forças Armadas (HFA), o presidente foi internado sentindo fortes dores na barriga e refluxo.

Desde o discutível e providencial atentado sofrido, em que foi alvo de uma facada, durante a campanha de 2018. O genocida já sofreu cerca de seis intervenções cirúrgicas.

Conforme prega alguns conceitos religiosos, pessoas de má índole só abandona o vaso físico (desencarna), após ter saldado todas as suas dívidas cármicas. Se esse for o caso, este ser predador deverá ter uma existência longa, mas nada agradável.

Se tiver que pagar pelos crimes que cometeu e continua a cometer, terá que ter uma existência próxima a de Matusalém, que segundo textos bíblicos viveu cerca de 969 anos. Isso ninguém merece. Talvez, ele sim.

Sérgio Jones, jornalista (sergiojones@live.com)

Share on whatsapp
Share on twitter
Share on facebook
Share on google
Share on linkedin
Share on email

OUTRAS NOTÍCIAS