Castração

Castração feminina forçada

Aqui busco compreender o porquê da castração feminina implicar historicamente na castração masculina.

O patriarcado é um fenômeno social muito novo na história das sociedades ocidentais. É em tudo fruto das sociedades burguesas, em que a privatização do outro foi o princípio fundador do aparecimento das hierarquias.

O suporte das ciências e da nascente psicologia para a redução da mulher a um lugar de subalternidade em relação ao homem aconteceu de modo a reconhecer no gozo feminino um sinal de histeria que carecia de ser suprimido.

Uma vez diagnosticada o prazer com o gozo, o encaminhamento para instituições de contenção era uma forma de reduzir a mulher.

A histeria, nos discursos médicos e psiquiátricos brasileiros da segunda metade do século XIX, foi desenhada no feminino. As histéricas eram percebidas como mulheres que não se adaptavam ao papel que lhes era reservado na família e na sociedade.

A influência vinha das metrópoles e era denunciada em obras como O Vermelho e o Negro, de Stendhal, A Mulher de Trinta Anos, de Balzac; Madame Bovary, de Flaubert; e Thérèse Raquin, de Émile Zola, enfatizando os mecanismos de controle e as formas de repressão que recaíam sobre o corpo feminino.

De privação de luz, de encarceramento, de eletrochoques, de hipnoses, de medicamentos diversos até que todo impulso do clitóris, único órgão humano que existe exclusivamente para o prazer, fosse erradicado, de tal sorte que dali em diante essa herança fosse transferida de mães para filhas até o presente.

Claro que além dos discursos médicos, as prédicas religiosas, as orientações para as famílias também compunham esse ideário da castração.

Esse foi o princípio da expansão de todo sistema capitalista no bojo da colonização eurocêntrica. É o século XIX o berço do patriarcado.

A partir daí, o papel da mulher seria exclusivamente reprodutivo. Difícil saber agora se isso se deu por temor ou pragmatismo, mas o fato é que o gozo feminino poderia ter outro princípio. Poderia indicar reciprocidade na relação
amorosa.

É preciso explicitar melhor isso. O gênero de fato, para a sexualidade, não existe. Isso porque a relação amorosa consiste na satisfação que podemos devotar ao outro, ao ser amado. O gozo do ser amado engrandece o nosso próprio gozo.

Se isso for verdadeiro, e pra sabermos se o é, basta que devotemos ao parceiro amoroso o melhor gozo e para isso precisamos conhecê-lo profunda e intimamente, saber da complexidade dos corpos, os redutos do prazer que o
enalteça e só então investigar e investir para que esses redutos se tornem templos de adoração e devoção ao mesmo tempo.

Mas se o outro, o outro amoroso, não emite os sinais do prazer do gozo, então ele para nós não existe de fato, é apenas um instrumento do gozo nosso e o gozo masculino é extremamente pobre.

Incapaz de doar, minguamos em nosso próprio gozo. E vamos adiante como sacos esvaziados de substancia, rumo a uma existência solitária e não solidária.

Esse princípio, tão necessário aos impulsos egóicos do capitalismo, define nossa própria existência.

Então nos unimos ao próximo como proprietários, coisificando o amor embalados no apego e na possessividade.

Exigimos fidelidade e negamos a ele e a nós mesmos a plenitude da vida. E a plenitude da vida é a liberdade e a
complexidade. Liberdade é escolha entre modos de vida diversos.

Complexidade e a união plena com o outro, incondicional e repleta de doação.

Mas não é impossível reverter isso. Precisamos nos transformar em doadores amorosos, procurando no ser amado seu lugar de prazer e ali depositando toda nossa energia amorosa.

Como doadores do amor, realizamos o princípio do amor e da vida, acrescentando ao doar uma dose ainda maior de potencia, e realizamos o PERDOAR.

PER: Esse sufixo tem um sentido muito especial aqui. Per é a saturação e a exorbitância de um conjunto de sentido. Clorito, hipoclorito, percloreto, permacultura traduz a saturação a mais do cloreto ou da cultura, para além
dele ou dela.

Então o sentido que o per incorpora aos termos vai além do que normalmente esses termos propõem.

Seguir, perseguir, correr, percorrer, doar, perdoar são os sentidos do per. O egoísta recebe, o amoroso doa, mas o amor, perdoa, doa além do imaginado e do necessário.

A palavra perdão sempre foi problemática pra mim. Ela se apresentava como gerida de um lugar cuja importância me ofendia, ou seja, quem perdoa é porque tem o poder de perdoar e o poder é em si um degenerado do amor.

Mas esse perdoar como aquilo que vai além do doar, azeitado pela melhor energia amorosa é muito grandioso e ao mesmo tempo muito singelo, pois não envolve uma ação mediadora que existe para exaltar o doador.

É tão somente a decisão amorosa de envolver o ser amado numa ciranda de cuidados e presenças. É doar mais do que ele espera e com isso ele também entende da natureza do doar. Estará pronto a perdoar outros.

 O amor só realiza COM O OUTRO, na complexidade, nesse servir ao outro e se isso ocorrer, também o sistema cai diante do amor e se esfarela como poeira.

*Eduardo Bonzatto é professor da Universidade Federal do Sul da Bahia castração fporçada

(UFSB).

Share on whatsapp
Share on twitter
Share on facebook
Share on google
Share on linkedin
Share on email

OUTRAS NOTÍCIAS