Colbert não faz autocrítica: observa defeitos nos outros que ele mesmo tem/ Por Sérgio Jones

Share on whatsapp
WhatsApp
Share on twitter
Twitter
Share on facebook
Facebook
Share on google
Google+
Share on linkedin
LinkedIn
Share on email
Email
Ele só sabe falar dos outros

É curioso observar a falta de bom senso e a incapacidade, que o prefeito de direito e não de fato, Colbert Martins (MDB), demonstra ter de realizar autocrítica. Ele tem desenvolvido um refinado gosto em observar e apontar os defeitos nos seus adversários políticos, que ele mesmo tem.

Recentemente, o mandatário feirense perdeu uma oportunidade preciosa de ficar calado ao se arriscar fazer um comentário sobre o episódio do anúncio da entrega do Hospital Clériston Andrade II, em que o governador Rui Costa disse que nunca marcou data para a entrega à comunidade.

Objetivando atacar o deputado federal Zé Neto (PT) que é seu adversário político, que trava uma verdadeira escaramuça para ocupar o cargo de chefe do executivo de Feira de Santana, disse Colbert: “O que observamos é que pelo visto quando há problemas na cidade é o governador quem resolve e não tem intermediário”.

Esquece o inusitado prefeito que o mesmo conceito se aplica a ele, quando ocorre problemas, que não são poucos no município, quem resolve é o ex-prefeito José Ronaldo.

Que segundo se comenta na cidade virou uma espécie de oráculo de Delfos a quem o atual alcaide recorre na busca de orientações miraculosas, na vã tentativa de encontrar soluções mágicas para que possa fazer as suas previsões e adotar decisões fajutas.

Tal comportamento nos remete ao velho e bom ditado em que sentencia que macaco não olha para o próprio rabo. Sentido que muito bem explica tal comportamento também é demonstrado por uma fábula de Fedro, obra do filósofo grego Platão.

Na qual especula sobre os vícios dos homens: “Júpiter pôs sobre nós dois alforjes, um às costas, carregado com nossos defeitos, outro à frente, carregado dos defeitos alheios. Por essa razão, não podemos ver nossos vícios e deficiências, mas vemos logo os dos outros, de quem nos tornamos os mais severos censores”.

Sérgio Jones, jornalista (sergiojones@live.com)

OUTRAS NOTÍCIAS