Cuba terá a primeira vacina latino-americana contra a Covid-19

CUBA TEM DUAS VACINAS CONTRA COVID-19

Chamam-se Soberana 02 e Abdala, e são os dois protótipos cubanos de vacina contra a covid-19 que mais longe chegaram em seu desenvolvimento.

Ambos estão na fase 3 de ensaios clínicos, a última antes da sua aprovação, e se tudo correr como esperam os cientistas cubanos, dentro de poucos meses a ilha poderia dispor de uma vacina própria para imunizar toda a sua população, de 11,2 milhões de habitantes.

Se forem aprovadas nos próximos meses pela Agência Nacional Reguladora de Cuba, o que parece muito provável, a Soberana 02 e a Abdala se tornarão as primeiras vacinas anticovid-19 concebidas e produzidas na América Latina.

A Organização Pan-Americana da Saúde (OPAS) considera um luxo e um privilégio que um pequeno país como Cuba tenha conseguido desenvolver cinco protótipos de vacinas, e que dois deles se encontrem na etapa final de ensaios clínicos, quando sua eficácia é testada.

“Não se trata de nenhum milagre: existe um notável desenvolvimento científico em Cuba e uma experiência de 30 anos em fabricar vacinas”, afirmou numa recente entrevista ao El País.

O representante da OPAS/OMS em Cuba, José Moya, salientando que tampouco por acaso a ilha foi o primeiro país a desenvolver uma vacina contra meningite, além de fabricar, desde o começo da década de 1990, outra contra a hepatite B, que foi amplamente empregada na América Latina e África.

Todos os protótipos cubanos se baseiam em inocular uma proteína da espícula do coronavírus, a parte que gruda nas células infectadas, para produzir uma reação imunológica. A Soberana 02, a mais promissora delas, também incorpora uma substância que reforça a reação imunológica.

Cuba já desenvolveu com sucesso outra vacina com o mesmo princípio contra a bactéria Haemophilus influenzae b, responsável por alguns tipos de meningite e pneumonia.

Segundo Moya, os cientistas cubanos estão trabalhando em plataformas conhecidas, e isso é sempre uma segurança. “Vacinas deste tipo são as mais tradicionais e seguras, além de terem a vantagem de poderem ser conservadas em uma temperatura de 2 a 8 graus”, afirmou o epidemiologista peruano, que considera um ponto forte de Cuba contar com uma agência reguladora sólida e de referência na América Latina, como é o caso do CECMED (Centro para o Controle Estatal de Medicamentos, Equipamentos e Dispositivos Médicos), com o qual a OPAS colabora há anos.

Caberá a esse órgão autorizar o uso da Soberana 02 e da Abdala, inclusive com a possibilidade de permitir seu uso emergencial antes da conclusão de todas as provas.

Ensaios com voluntários

No último dia 3, terminou a aplicação da primeira dose da Abdala em 48.000 voluntários nas províncias de Santiago de Cuba, Guantánamo e Granma (todas no leste do país), e em 5 de abril começou a ser injetada a segunda dose, de um total de três (com intervalos de duas semanas entre cada uma), em dois grupos ―um experimental e outro de controle.

Também em 5 de abril teve início a aplicação da segunda dose da Soberana 02 aos quase 42.000 voluntários incluídos na fase 3 em Havana.

Mauricio Vicent, El País

Share on whatsapp
Share on twitter
Share on facebook
Share on google
Share on linkedin
Share on email

OUTRAS NOTÍCIAS