Tempo - Tutiempo.net

Entenda a investigação pela morte de Maradona e quem são os sete intimados

A investigação sobre a morte do ex-jogador argentino Diego Armando Maradona apontou, nesta semana, sete suspeitos da equipe médica por possível negligência. A equipe era liderada pelo neurocirurgião Leopoldo Luque e pela psiquiatra Agustina Cosachov.

perícia de cerca de seis páginas aponta para um delito de homicídio simples com dolo eventual, ao concluir que o atendimento ao ex-jogador foi “deficiente, ineficiente e indiferente”.

A pena para esta modalidade de delito prevê entre oito e 25 anos de prisão.

Os representantes do Ministério Público intimaram para interrogação sete membros da equipe médica de Maradona: o neurocirurgião Leopoldo Luque, a psiquiatra Agustina Cosachov, o psicólogo Carlos Díaz, a enfermeira Dahiana Gisela Madrid, o enfermeiro Ricardo Almirón, a médica-coordenadora Nancy Forlini e o coordenador e enfermagem, Mariano Perroni.

Os investigadores também solicitaram uma medida judicial ao juiz, Orlando Díaz, que impeça que os intimados saiam do país. Os intimados irão declarar a partir do dia 31 de maio.

Os detalhes da investigação

Segundo a perícia, Maradona teria “começado a morrer, pelo menos, 12 horas antes” do óbito, por apresentar “sinais inequívocos de período agônico prolongado”. Além da falta de assistência neste momento, a perícia também aponta que a internação de Maradona não era adequada.

O jogador faleceu em uma residência privada, alugada, quando seu estado de saúde exigia um centro de reabilitação após a cirurgia realizada no dia 3 de novembro, para a retirada de um coágulo cerebral.

“Ainda que seja contrário aos fatos reais afirmar que Maradona não teria falecido em caso de haver contado com uma internação adequada, tendo em conta o quadro documentado dos dias prévios à sua morte, (…) concordamos que haveria mais chances de sobrevida”, descreve o documento da perícia.

A revisão de mensagens nos aparelhos celulares dos profissionais de saúde responsáveis por Maradona aponta para o prévio conhecimento sobre o estado grave do paciente, horas antes do óbito, que ocorreu às 12h30.

Diversas testemunhas afirmam que o ex-jogador estava inchado, em declarações e nas conversas interceptadas por chat entre as equipes de enfermeiros e médicos.

Neste sentido, a perícia indica a ausência de medicação necessária neste momento, para os problemas de coração e para a retenção de líquidos.

Além disso, nas mensagens interceptadas pela investigação, foram encontrados vestígios claros sobre a ciência da gravidade do estado do paciente e a decorrência da suposta negligência.

“Vamos ser presos” e “devemos melhorar o histórico clínico” foram algumas das frases desses chats que incriminam os médicos e enfermeiros.

Falsificação de assinatura

Um ponto importante da investigação que se dá desde a morte do craque, foi a verificação de que o pedido pelo histórico clínico de Diego Maradona ao hospital de clínicas de Olivos continha uma assinatura falsificada.

A origem do delito foi comprovada ter sido de autoria do neurocirurgião Leopoldo Luque, que foi acusado. Os esboços do treinamento da assinatura também foram encontradas na casa do médico.

A psiquiatra Cosachov também foi intimada por falsidade ideológica, por assinar um certificado que relatava o suposto bem estar do paciente, informação que foi incorporada ao histórico clínico de Maradona.

Os investigadores do caso descobriram que Cosachov não havia atendido o ídolo argentino na data firmada no prescrito médico.

Além disso, os enfermeiros interrogados alegaram que a psiquiatra reclama que eles “mandavam muitas mensagens de WhatsApp”.


Certificado forjado, assinado pela psiquiatra de Maradona, datado cinco dias antes da morte do craque. / Reprodução/La Nación

Os sete intimados

Os principais suspeitos do caso são Luque e Cosachov, que tomavam as decisões mais importantes quanto aos cuidados de saúde de Maradona.

Eles deverão ser os últimos interrogados, são considerados pela perícia do caso como “pouco experientes” e não possuíam o nível profissional requerido para o tratamento do ex-jogador.

O psicólogo Carlos Díaz é intimado por ter capacidade de intervenção e solicitar a internação do paciente, o que, segundo a equipe da perícia, poderia ter salvado a vida de Maradona.

Os enfermeiros Ricardo Almirón e Dahiana Madrid, responsáveis pelo controle do estado de saúde de Maradona, na ocasião, nos turnos da noite e da manhã, respectivamente.

O coordenador da equipe, Mariano Perroni, também será interrogado por incitar uma alteração nos documentos de controle após a morte de Maradona.

Já Nancy Forlini é supervisora da Swiss Medical, plano de saúde do ex-jogador, e será interrogada por ineficiência ou ausência de intervenção diante das irregularidades no acompanhamento do estado de Maradona.

La Nación

Share on whatsapp
Share on twitter
Share on facebook
Share on google
Share on linkedin
Share on email

OUTRAS NOTÍCIAS