Tempo - Tutiempo.net

Estudos afirma que crustáceos carregam carbono radioativo da Guerra Fria

(FOTO: DAIJU AZUMA, CC BY 2.5) C

Crustáceos que vivem no oceano profundo ainda carregam carbono radiotivo de testes nucleares feitos durante a Guerra Fria, mostrou uma análise da Academia Chinesa de Ciências. Essa é a primeira vez que os especialistas observaram o fenômeno em organismos que vivem tão profundamente — incluindo alguns na Fossa das Marianas, localizada no Oceano Pacífico e que fica a 11 mil metros de profundidade da superfície.

Os seres vivos que habitam a superfície do oceano incorporaram esse “carbono-bomba” nas moléculas que compõem seus corpos desde o final dos anos 1950. O novo estudo mostra também que os crustáceos naturais do oceano profundo incorporam a substância quando se alimentam da matéria orgânica de outros organismos presentes na região.

Para os especialistas, essa é uma prova de como poluição humana pode entrar rapidamente na cadeia alimentar e chegar ao fundo dos oceanos. “Há uma interação muito forte entre a superfície e o fundo do oceano, em termos de sistemas biológicos, e atividades humanas podem afetar os biossistemas a até 11 mil metros: por isso, precisamos ter cuidado com nossos comportamentos futuros”, disse Weidong Sun, co-autor do artigo, em declaração.

A equipe também afirmou que os traços de carbono-14 encontrados nos animais ocorrem naturalmente na atmosfera e nos organismos vivos, mas não nessa quantidade. Em meados da década de 1960, os níveis atmosféricos de radiocarbono eram aproximadamente o dobro dos índices registrados no período anterior ao início dos testes nucleares — esses níveis só começaram a cair com o fim dos experimentos.

Curiosamente, os pesquisadores também descobriram que esses crustáceos crescem e vivem mais do que os seus homólogos de águas mais rasas. A equipe acredita que esses animais são provavelmente os subprodutos de sua evolução, vivendo em ambiente de baixas temperaturas, alta pressão e um suprimento limitado de alimentos, e por isso têm metabolismo lento e baixa renovação celular, o que lhes permite armazenar energia por longos períodos de tempo.

GALILEU

Share on whatsapp
Share on twitter
Share on facebook
Share on google
Share on linkedin
Share on email

OUTRAS NOTÍCIAS