Feira: Zé Carneiro joga para a plateia objetivando obter dividendos políticos/ Sérgio Jones

Share on whatsapp
Share on twitter
Share on facebook
Share on google
Share on linkedin
Share on email
José Carneiro fala do cartão V

Falta imaginação e criatividade para os edis de Feira de Santana, e sobra todo tipo de manipulação política. Estas praticadas com muita eficiência ao longo de seus mandatos, que se exacerbam em ano eleitoral. Este tipo de comportamento é o modelo de política oportunistas que busca beneficiar a si mesmo, em ano eleitoral.

Importante observar que essa odiosa prática não é só exclusividade do legislativo. Vai pelo mesmo caminho o executivo. Enquanto o povo continua passivo como gado e se deixando manipular por esses pseudos e patéticos representantes do povo. Quando na realidade, o que eles representam mesmo e o que está em jogo é atender seus interesses e de entes e aderentes, em suma de seus familiares.

A prática oportunista nesse instante nos é apresentada pelo “honorável “ presidente do legislativo municipal feirense, José Carneiro (MDB), nesta terça-feira (15), com aprovação do requerimento de autoria dele em que questiona ser ou não obrigatório que os servidores municipais disponham do cartão Via Feira, se existe validade de crédito e se pode acumular de um mês para o outro.

O curioso é que sua excelência teve todo o tempo, durante o seu mandato, mas ao que parece não se deixou sensibilizar pela questão. Agora, não mais do que de repente, aflorou nele o sentimento e a vontade de bancar o papel de paladino que busca fazer justiça social, justamente em ano eleitoral, será que é mera coincidência, por que só agora cara-pálida?

Quando se trata de cartões os legisladores feirenses são grandes entendedores. Eles que cobram postura ética com relação a essa prática dos outros, não demonstram ter nenhuma. Ao se beneficiarem com a retenção do famoso cartão alimentação que deveria ser destinado aos assessores, acaba ficando nas mãos deles.

O que foi feito para mudar esse tipo de abuso, presidente? Abusos estes que não se limitam unicamente a retenção de cartões, como é do conhecimento de todos, existem muitas outros em sua gestão que já foram denunciadas diversas vezes, pela imprensa local. Como professa o velho e bom adágio popular: Casa de ferreiro, espeto de pau.

Sérgio Jones, jornalista (sergiojones@live.com)

OUTRAS NOTÍCIAS