Tempo - Tutiempo.net

NOS BASTIDORES DA MAÇONARIA VIII

Falando sobre iniciação

Iniciação Maçonaria Universal

Somos reservados, temos razões para isso. Vamos iniciar o trabalho da seguinte forma:

Após fazer a retirada de todos os metais que estavam em seu poder, o profano é levado à Câmara das Reflexões.

Nesse momento ele não deve estar portando nenhum instrumento que lhe ofereça qualquer tipo de recurso financeiro e poder.

Para o neófito, isso significa que ele foi privado de luxo, das ambições e deve considerar o dinheiro como um meio e não como um fim.

A Câmara das Reflexões é um lugar lúgubre, paredes negras, esqueletos, cabeças de morotos e lágrimas.

No ambiente também se pode ver desenhos de um galo, uma foice e uma ampulheta.

O galo é símbolo da vigilância: “sou eu quem desperta o dia; portanto te cuida, procura tornar-se o mais perfeito possível”.

O símbolo da foice é ainda o pensamento da morte.

A ampulheta foi o primeiro relógio, diz a aquele que chega: “O tempo passa ainda mais depressa do que a minha areia; sê perseverante em tua ação; sabes quanto tempo tens para concluir tua tarefa?”

Da Câmara o profano sai despido de uma parte de suas vestimentas. Por quê?

Inicialmente lembra que o ser humano deve ser despido da vaidade. Ele é pó e em pó um dia há de se tornar, conforme afirma as Escrituras Sagradas. É o emblema do operário, do trabalhador.

Lembra também o trigo dos mistérios de Eleusis. O grão de trigo, ao morrer na terra, perde sua casca. Assim, o neófito deve morrer para a vaidade, para o vício, para o orgulho, para as ambições deletérias.

Ele como o grão de trigo, vai começar um novo ciclo de vida: tem de renunciar grande parte de sua vida e vai ser um  elemento produtivo para a sociedade.

Eis, em síntese, o significado do simbolismo do despojamento de uma parte das vestimentas.

O coração descoberto significa que o Maçon deve ser franco e leal.

O seu braço descoberto significa que ele deve ser trabalhador livre e honesto na obra comum.

O joelho direito é o que dobra e toca o chão em sinal de adoração.

Quanto ao pé esquerdo, descalço, remota às origens orientais da Ordem. Os orientais se descalçavam para entrar em seus templos. Acontece que a Maçonaria, atualmente, não segue esse rigor da prova. O neófito apenas substitui o sapato por uma sandália humilde.

O neófito entra na Loja de olhos vendados. Esse simbolismo é mais adequado quando se deseja a luz do novo conhecimento e das novas experiências.

Ele está ingressando numa comunidade que lhe é inteiramente desconhecida. Se ao passar pelas provas, resolver desistir será retirado do ambiente sem nada ter visto.

Também simboliza que na vida nos debatemos às cegas e que nada conseguiremos sem o auxílio dos mais experientes na luta da existência.

Pois bem meus irmãos e meus amigos, o que existe de segredo intransponível na iniciação? Responda-me, a luz desse simbolismo, se pode ter cabimento a crítica zombeteira e falsa que algumas pessoas fazem à Maçonaria.

Vamos, digam, estou aguardando onde está à prática excêntrica, a prática diabólica?

Não esqueçam que ritos são praticados em todas as religiões e o simbolismo é típico da humildade que rebate o orgulho e a perfídia.

Esse é o espírito do verdadeiro Maçon. Porém não nos esqueçemos que também podemos encontrar na irmandade, os nossos Judas.

Carlos Lima

Share on whatsapp
Share on twitter
Share on facebook
Share on google
Share on linkedin
Share on email

OUTRAS NOTÍCIAS