Tempo - Tutiempo.net

Ronaldo: carta fora do baralho no carteado da política baiana/ Por Sérgio Jones

José Ronaldo foi desconvocado

Estava escrito nas estrelas que o velho e desgastado cacique da política feirense, ex-prefeito José Ronaldo de Carvalho (DEM), não comporia a tão desejada participação na chapa de ACM Neto.

Por diversas vezes o prefeito de Salvador sinalizou a sua não disposição de abrigar na chapa dele, o cacique político das Caatingas. E chegou até mesmo declarar uma espécie de lei sexagenária ao anunciar que não aceitaria ninguém no grupo, com idade superior a 60 anos.

Mas o ex-prefeito feirense resolveu ignorar os avisos, fazendo ouvido de mercador, e insistiu na vã tentativa de se impor no grupo.

Constantemente durante entrevistas feitas à imprensa falava de forma despudorada sobre o desejo, apenas dele, de integrar o grupo. O que pelo visto acabou não acontecendo.

De acordo com o que declarou o presidente do DEM, deputado federal Paulo Azi, ACM Net (DEM) terá uma “chapa representativa”, caso os deputados federais Félix Mendonça Júnior (PSB) e Marcelo Nilo (PDT) integrarem a majoritária da oposição, como candidatos a vice-governador e senador, respectivamente.

Como sentencia o velho dístico popular, nem os diamantes são eternos. E se tratando desse político das caatingas não chega nem mesmo a ser um diamante bruto. Que pelo visto, nunca chegou a ser lapidado.

Ao longo de sua existência sempre atuou na política da província de Feira de Santana, aplicando um modelo político do compadrio.
Uma espécie de estratégia econômica em que o sucesso nos negócios depende das estreitas relações existentes entre empresários e a classe política.

Onde a grande parte da população permanece às margens do processo, não suprindo dessa forma às necessidades do povo.

Sérgio Jones, jornalista (sergiojoneslive.com)

Share on whatsapp
Share on twitter
Share on facebook
Share on google
Share on linkedin
Share on email

OUTRAS NOTÍCIAS