Rosa Weber suspende resolução do Conama sobre exploração de manguezais

Share on whatsapp
Share on twitter
Share on facebook
Share on google
Share on linkedin
Share on email
Ministra Rosa Weber

A ministra Rosa Weber, do Supremo Tribunal Federal, suspendeu resolução do Conselho Nacional do Meio Ambiente (Conama) que liberava a exploração de manguezais. A liminar, desta quarta-feira (28/10), será enviada para referendo do Plenário da Corte.

Com a decisão, Rosa Weber manda restaurar a vigência de Resoluções anteriores

A Resolução 500/2020 revogou outras normas do órgão que regulamentavam o licenciamento ambiental de atividades de irrigação e traziam definições e especificações protetivas relativas às áreas de preservação permanente (APPs).

De acordo com a ministra, há “elevado risco de degradação de ecossistemas essenciais à preservação da vida sadia, comprometimento da integridade de processos ecológicos essenciais e perda de biodiversidade”.

A relatora acolhe as argumentações do PT, do Partido Socialista Brasileiro e da Rede Sustentabilidade, que ajuizaram arguições de descumprimento de preceito fundamental.

Os partidos sustentaram que a alteração passou a autorizar o licenciamento ambiental para a queima de resíduos sólidos em fornos de cimento nas indústrias, o que inclui materiais de potencial nocivo, como embalagens plásticas de agrotóxicos.

Com a decisão, a ministra manda restaurar a vigência de Resoluções anteriores.

A Resolução 284/2001 classificava os empreendimentos de irrigação em categorias, conforme a dimensão efetiva da área irrigada e o método de irrigação empregado no projeto, além de exigir a apresentação de estudos dos impactos ambientais.

A Resolução 302/2002 determinava que os reservatórios artificiais mantenham faixa mínima de 30 metros ao seu redor. Já a Resolução 303/2002 previa parâmetros e limites às APPs e considerava que as áreas de dunas, manguezais e restingas têm função fundamental na dinâmica ecológica da zona costeira.

As ações

Fernanda Valente é correspondente da revista Consultor Jurídico em Brasília.Para o PT, essas normas restauradas configuravam uma evolução no desenvolvimento nacional sustentável e na manutenção das zonas naturais preservadas, visando conter o “avanço desmedido e irresponsável” de empreendimentos que utilizam recursos hídricos, potencial de exploração turística e ecológica para a obtenção de lucros.

O PSB argumentou na inicial que as supressões normativas “enfraquecem o sistema de proteção ao meio ambiente” e podem ocasionar danos irreversíveis aos biomas nacionais.

Em nota, o advogado Felipe Correa, do Carneiros e Dipp Advogados, que defende o PSB, afirmou que a liminar “fundamental para frear os constantes ataques que o sistema de proteção ao meio ambiente vem sofrendo no atual governo”.

Para a Rede, os retrocessos ambientais aprovados pelo órgão têm ainda efeitos gravíssimos para a saúde da população. “Além de matarem e destruírem a fauna e a flora, destroem a própria vida humana”, argumenta

Fernanda Valente

OUTRAS NOTÍCIAS