Tempo - Tutiempo.net

Viva Ruth de Souza! Grande atriz ganha homenagem virtual

Ruth de Souza

Você sabe o que é uma pessoa disruptiva?

É aquela que tem capacidade de ser um agente de mudança e ao mesmo tempo protagonizar os resultados da inovação. Esta era Ruth de Souza, mulher, brasileira, negra e atriz.

Ruth de Souza é a primeira dama negra do teatro, cinema e televisão brasileira
Ruth de Souza completaria 100 anos em maio de 2021 e, para celebrar o legado da atriz, o Itaú Cultural preparou um material especial, disponível no site da instituição.

Esta carioca, nascida em Engenho de Dentro, filha de uma lavadora de roupas, decidiu ser atriz. Na década de 1940, se juntou ao Teatro Experimental do Negro (TEN), do escritor e dramaturgo Abdias Nascimento (1914-2011), e mudou os rumos das artes cênicas no Brasil.

A atriz carioca realizou seu último trabalho aos 97 anos!

Por que chamar Dona Ruth de pioneira?

Vamos aos fatos: ela foi a primeira atriz brasileira a concorrer a um prêmio internacional. O filme “Sinhá Moça” (1953), lhe garantiu indicação ao Leão de Ouro no Festival de Veneza.

Ruth competiu ao lado de Michèle Morgan, Lili Palmer e ninguém menos do que Katharine Hepburn, a maior vencedora do Oscar até hoje. Por dois pontos, Ruth perdeu a para a atriz alemã Lili Palmer.

E tem mais: foi a primeira atriz negra a protagonizar uma novela, “A Cabana do Pai Tomás” (1969), na Globo.

Também foi a primeira atriz negra a se apresentar nos palcos do Teatro Municipal do Rio, na peça “O Imperador Jones” (1945).

Em 1950, a atriz estudou artes cênicas nos EUA, graças a uma bolsa da Fundação Rockefeller.

Tá achando que foi bolinho?

Ela enfrentou o preconceito, a descrença e piadas para se tornar atriz, e subiu aos palcos menos de seis décadas após a abolição da escravatura.

Ruth de Souza contribuiu para a reconfiguração da população negra no imaginário cultural brasileiro. A atriz nunca aceitou as construções estereotipadas de personagens negros, criando assim gestuais e universos próprios para suas personagens.

A homenagem dá destaque à influência da atriz sobre outros atores e gerações das artes cênicas. Ruth foi a inspiração para que os artistas e produtores Ellen de Paula e Gabriel Cândido idealizassem o projeto “Dona Ruth: Festival de Teatro Negro de São Paulo”.

Criado em 2019, o evento anual reúne espetáculos teatrais, leituras encenadas e dramáticas, performances,  contação de histórias, intervenção artística, shows, conversas, entre outras ações.

O visitante do site do Itaú Cultural pode conferir a carta entregue à atriz em 2019, contando a intenção da criação do festival Dona Ruth. E a primeira das 100 cartas que Ellen e Cândido vão reunir para festejar os 100 anos de Ruth de Souza.

No segundo semestre de 2021 o Festival ganha a sua 3ª edição, com uma programação dedicada ao centenário da atriz, e também espetáculos, debates e atividades formativas. Acompanhe as atividades no Instagram.

Incansável, a atriz realizou seu último trabalho aos 97 anos, na minissérie “Se Eu Fechar os Olhos Agora” (2018). Viva Dona Ruth de Souza! Viva o teatro brasileiro! Brasileiro conheça mais histórias dessa mulher incrível.

Com informações @donaruth.ftnsp

Share on whatsapp
Share on twitter
Share on facebook
Share on google
Share on linkedin
Share on email

OUTRAS NOTÍCIAS