Weintraub: educador deseducado/ Por Sérgio Jones*

Share on whatsapp
WhatsApp
Share on twitter
Twitter
Share on facebook
Facebook
Share on google
Google+
Share on linkedin
LinkedIn
Share on email
Email

Declarações feitas pelo ministro da educação, Abraham Weintraub causa desconforto ao Ministério Público Federal no Rio Grande do Norte que em represália quer acionar a União para que pague indenização no valor de R$ 5 milhões. O órgão considera que estudantes e professores. São constantemente desrespeitados, o que resulta em danos morais coletivos e ofende a honra dos alunos e professores de instituições federais de ensino.

Este é mais um dos graves equívocos cometido pela equipe confusa e desordenada, que integra o governo bolsonarista. Governo inepto e totalmente alienígena aos problemas, que afetam milhões de brasileiros e brasileiras. Outro aspecto a ser considerado é que os constantes desencontros, deste governo de faz de conta, vêm se tornando responsável pelo desmonte das instituições sociais existentes no país, que já não são tão eficientes.

Outro ponto a ser considerado é com relação a outras justificativas feitas pelo então ministro, todas elas voltadas para denegrirem a imagem das próprias instituições de ensino superior e, no contexto dessa ação, a dos próprios alunos e professores, quando postura oposta deve ser a esperada.

Dentre as propostas consideradas não aceitáveis, destaques para os cortes no orçamento das universidades federais, sob pseudos argumentos objetivando contingenciar gastos. Entre outras falácias tipo, os estudantes e professores promovem “balbúrdia com dinheiro público”. O que deixa transparecer é que existe uma ampla e perversa inversão de valores. Até onde é do conhecimento geral, a tal “balbúrdia” a qual se refere ele, ocorre nas hostes do atual desgoverno.

Além de anunciar os cortes, o ministro, ao que tudo deixa transparecer, está empenhado em promover uma perseguição de caça às bruxas. Ele, que é de extrema direita, está utilizando métodos stalinistas ao se dirigir às redes sociais na quarta-feira (29), pedir que os pais denunciem professores que estariam “coagindo” alunos da rede pública a participar dos atos.

Nunca antes um pensamento se tornou tão atual quanto o expressado, em algum momento, pelo educador Paulo Freire: “Seria uma atitude ingênua espera que as classes dominantes desenvolvam um modelo de educação que proporcione às classes dominadas perceber as injustiças sociais de maneira crítica”.

Sérgio Jones, jornalista (sergiojones@live.com)

OUTRAS NOTÍCIAS