Tempo - Tutiempo.net

Brasil discorda de proposta da Rússia para pagamentos via BRICS, mas defende atualização do SWIFT

Hoje a moeda do Brasil é a de maior valor

O impacto econômico no curto prazo é bem difícil de ser medido, segundo Rezende. Mas há diversas vantagens no longo prazo, e uma delas é a facilitação do comércio tanto entre os países do bloco como países do BRICS. Ou seja, realizar o sonho de driblar, enfim, a dependência do dólar no mercado internacional.

Trata-se, inclusive, de uma tendência global encabeçada pela China, que vem tentando estabelecer o Renminbi como a moeda padrão em uma série de relações comerciais com seus parceiros mais próximos, principalmente os do que se convencionou chamar de a Nova Rota da Seda.

Já Beaklini acredita que uma nova moeda latino-americana não reduziria a dependência do dólar de imediato.

Mas, à medida que se fecham mais contratos em bloco nesta moeda, ou dando preferência para que esta moeda fosse intercambiável com outra moeda — em um sistema de trocas que corresse paralelo ao SWIFT (exemplo é o sistema da Rússia, de 2014, que pode ser complementado com o sistema iraniano e chinês), a redução da dependência do dólar seria possível.

Ele aponta que é importante entender que a moeda não é exógena à economia, e a economia não é exógena ao domínio territorial e ao domínio político.

Nesta toada, Beaklini explica que há moeda porque há autoridades que as controlam.

“Há moeda porque há um país, um Estado nacional, e não o contrário. Essa fantasia neoliberal tem que acabar. Acabando essa fantasia neoliberal, e tendo um conjunto de acordos perenes entre países latino-americanos, é possível, sim, diminuir a dependência do dólar.

Mas essa redução precisa ter um começo, e o começo tem que ser a prioridade das trocas internas, dentro dessa zona da moeda latino-americana”, reflete.

A exemplo de Rezende, Beaklini também sustenta que a nova moeda poderia ser usada, por exemplo, com os países do BRICS, que também vêm buscando alternativas nesse sentido. Isso porque a relação com o BRICS na chamada nova arquitetura financeira mundial é fundamental.

O BRICS, por exemplo, tem um fundo de reserva automático e tem o banco do bloco. Para sedimentar a nova moeda dos países da América Latina, ele sugere a retomada do Banco do Sul [banco do Mercosul] como um sistema complementar para facilitar as transações por meio desses dois bancos, além da criação de um fundo de resgate para os países latino-americanos.

Uma situação bastante factível, segundo o acadêmico, é fechar os contratos com projetos financiados pelo Banco do Sul e o banco do BRICS em uma moeda que não seja o dólar, o que seria um avanço, avalia.

“Precisamos montar uma arquitetura financeira latino-americana, e que, a partir daí, seja possível fazer parte do comércio internacional sem depender do dólar ou da tirania cibernética do SWIFT”, declara.

Sputnik

Share on whatsapp
Share on twitter
Share on facebook
Share on google
Share on linkedin
Share on email

OUTRAS NOTÍCIAS