Tempo - Tutiempo.net

É preciso impedir o pagamento de dividendos da Petrobrás durante a guerra na Ucrânia

Russia e Ucrânia estão em guerra

A Petrobrás anunciou nesta quarta-feira 23 o maior lucro de sua história: R$ 106 bilhões.

Mais do que isso, a empresa anunciou que praticamente todos os resultados – R$ 101 bilhões – serão distribuídos aos seus acionistas como dividendos.

Nenhuma empresa, nem mesmo o boteco da esquina, direciona praticamente 100% de seu lucro aos investidores.

Isso só acontece em situações muito excepcionais, quando, por exemplo, determinada companhia explora seu poder de monopólio para vampirizar a sociedade e extrai resultados abusivos.

É exatamente isto o que a Petrobrás passou a fazer depois do golpe de estado de 2016, que teve como objetivo central direcionar a renda do petróleo brasileiro para os acionistas privados da companhia.

Se antes do golpe a Petrobrás liderava os investimentos e alavancava o setor de óleo e gás no Brasil, além de garantir o abastecimento a preço justo, depois ela passou a ser a vaca leiteira dos acionistas privados – muitos deles, fundos internacionais que operam na bolsa de Nova York.

Com a mudança da política de preços da Petrobrás, caminhoneiros quebraram, motoristas de aplicativos idem e muitas donas de casa deixaram até de usar o gás de cozinha para preparar alimentos.

Como os combustíveis e seus derivados estão na base dos preços da economia, a Petrobrás também passou a ser, nos últimos anos, a principal responsável pela inflação brasileira.

Não há exagero em dizer que a estatal é uma das principais culpadas pela volta  do Brasil ao mapa da fome.

Paradoxalmente, uma operação policial que visava combater a corrupção na Petrobrás ensejou o maior assalto de todos os tempos: os brasileiros passaram a ser roubados diariamente nas bombas de gasolina para sustentar as mamatas dos acionistas privados da companhia.

Tudo isso só foi possível graças à lavagem cerebral promovida pelos meios de comunicação da imprensa corporativa, que, a serviço das petroleiras internacionais ou dos acionistas privados da Petrobrás, deram cobertura a esta política criminosa de uma empresa estatal que passou a operar como monopólio privado.

O crime final foi anunciado ontem: a distribuição de R$ 101 bilhões em dividendos aos acionistas.

Agora, no entanto, com a guerra na Ucrânia, que coincidentemente também foi vítima de um golpe de estado, os preços do petróleo superaram a barreira de US$ 100 o barril.

Há clima, portanto, para exigir que a Petrobrás use seu lucro para criar um fundo que estabilize os preços dos combustíveis. A conta da crise também deve ser paga pelos golpistas.

Leonardo Attuch

Share on whatsapp
Share on twitter
Share on facebook
Share on google
Share on linkedin
Share on email

OUTRAS NOTÍCIAS