Tempo - Tutiempo.net

GLOBO VÊ AÉCIO NO BANCO DA ODEBRECHT COM ALTO TEOR DE PROPINA

Aécio recebeu propina da Odebrecht

A descoberta de que a Odebrecht mantinha um banco no exterior, em sociedade com o grupo Petrópolis, da cervejaria Itaipava, para realizar pagamentos de natureza política, pode esclarecer o conteúdo do listão da empreiteira, apreendido na Operação Xepa, uma das etapas da Lava Jato.

Com o vazamento da lista, surgiram indícios de que a Odebrecht distribuiu pelo menos US$ 117 milhões para o pagamento de propina entre 2008 e 2014.

A novidade é que, agora, o operador Vinícius Veiga Borin revelou que a compra do Meinl Bank, pela Odebrecht e pelo empresário Walter Faria, do grupo Petrópolis, visava facilitar o pagamento de propinas.

Na reportagem de ontem, o jornal O Globo cita Aécio como um dos beneficiários dessas doações.

“O delator não envolve diretamente a cervejaria no esquema, só informa que era sócia da Odebrecht no banco e que distribuidoras de bebidas ligadas ao grupo Petrópolis fizeram doações eleitorais.

Na 23ª etapa da Lava-Jato, foi achada com um diretor da Odebrecht planilha em que essas empresas aparecem fazendo doações a políticos, entre eles Aécio Neves (PSDB-MG).”

O Globo se refere à empresa Leyroz, que doou R$ 1,6 milhão a Aécio e ao PSDB em 2010, no ano em que ele concorreu ao Senado Federal, após dois mandatos como governador de Minas.

À época, Aécio declarou que as doações foram legais e declaradas ao Tribunal Superior Eleitoral.

Mas a origem do dinheiro era ilegal, conforme as demais acusações feitas a petistas.

Mas não interessa a grande imprensa as denúncias contra Aécio e outros oposicionistas ao governo Dilma Rousseff.

E agora? Como vão lidar com essa situação?

Share on whatsapp
Share on twitter
Share on facebook
Share on google
Share on linkedin
Share on email

OUTRAS NOTÍCIAS