Justiça pode liberar saque do FGTS para mais 12 doenças

Share on whatsapp
Share on twitter
Share on facebook
Share on google
Share on linkedin
Share on email

Mais trabalhadores poderão ter acesso ao dinheiro do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS). Uma decisão do Tribunal Regional Federal da 4ª Região (atende o Sul do país) aceitou o pedido de inclusão de 12 doenças feito pelo Ministério Público Federal.

 

Além de pessoas com HIV, câncer ou doença em estágio terminal, para quem a retirada do dinheiro já é liberada, portadores de doenças como tuberculose ativa, Parkinson e hepatite C poderão, no futuro, sacar o dinheiro quando a ação transitar em julgado. Por enquanto, a Caixa Econômica Federal ainda pode recorrer e a mudança só valerá após a última decisão judicial.

 

Como a ação partiu do Ministério Público Federal, a Justiça possivelmente atenderá às demandas em qualquer parte do país, analisa Mário Avelino, presidente do Instituto FGTS Fácil. Isso significa que se um trabalhador entrar com uma ação individual, a chance de sucesso é grande.

 

“O injusto é o trabalhador doente passar por necessidades tendo esse dinheiro. Já está em tramitação na Câmara e no Senado propostas de ampliar os saques por doença. Essa decisão judicial é também positiva porque gera uma tendência no Congresso para que a lei passe por mudanças. Mas mesmo não existindo nenhuma alteração na lei, se é uma decisão judicial, ela precisa ser acatada”.

 

Na legislação previdenciária, portadores de doença graves estão isentos de carência (tempo mínimo de contribuição) para que seja concedido o benefício previdenciário de auxílio-doença ou até mesmo aposentadoria por invalidez. A doença, no entanto, não pode ser preexistente ao momento da filiação ao INSS.

 

Ação individual

 

Por enquanto, para obter a liberação do dinheiro do FGTS nos casos em que o trabalhador tenha uma das doenças, é preciso buscar um advogado, que entrará com ação judicial. Será necessário ter em mãos todos os laudos médicos que comprovem a enfermidade.

 

Em nota, a Caixa disse que analisará a decisão e adotará as providências cabíveis.

Fonte: A Gazeta

OUTRAS NOTÍCIAS