Não haverá tabelamento para frear aumento de preços diz Bolsonaro

Share on whatsapp
Share on twitter
Share on facebook
Share on google
Share on linkedin
Share on email
Tabelamento de preços é descartado

Opresidente Jair Bolsonaro voltou a dizer que o governo federal não adotará o tabelamento para combater a alta de preços de produtos que tiveram aumento recente, como o arroz.

Ele também destacou que não haverá “canetaço” ou diminuição de tarifas como em anos anteriores.

As declarações foram feitas para apoiadores que esperavam o presidente em frente ao Palácio da Alvorada na noite desta segunda-feira, 14.

“Não vai haver tabelamento de nada, não vai haver canetaço, diminuição de tarifa na mão grande, como foi feito no passado”, respondeu a um apoiador que pediu a diminuição do preço da gasolina.

“Obviamente temos a preocupação de combater possíveis excessos, mas ninguém vai tabelar nada e nem interferir no mercado. Isso já foi testado no passado, já foi feito no passado e não deu certo”, disse.

O presidente atribui o alta no preço do arroz ao aumento do consumo.

“Houve um excesso de recursos no mercado, quase R$ 50 bi por mês, muito papel na praça, vem inflação. Aumentou um pouco o consumo. Agora não tem que ninguém se apavorar, querer fazer reserva de mantimento em casa daí piora a situação”, disse.

Bolsonaro afirmou ainda que o governo tem tomado as ações necessárias para que o preço volte a média normal.

“Agora nós estamos tomando as providências necessárias para voltar à normalidade. Abrimos a importação de 400 mil toneladas de arroz dos Estados Unidos, e a gente espera que a situação se normalize o mais rápido possível aí”, declarou o presidente.

ESTADÃO

OUTRAS NOTÍCIAS