Tempo - Tutiempo.net

Os outros jogos: os vorazes, do capital contra o trabalho. Adeus, direitos!

Enquanto, com todo o direito, o povo brasileiro celebrava sua história e sua alegria na abertura da Olimpíada, outros jogos estão sendo aberto,s quase em silêncio.

O Globo traz hoje o que será a reforma trabalhista do governo golpista.

Tudo será negociado entre aquele que tem todo o poder e os representantes daqueles que só têm a força de trabalho, porque nem mesmo emprego hoje lhes é garantido.

Tudo passa a ser objeto de acordo: férias, 13º, duração da jornada de trabalho e até mesmo os intervalos para almoço e lanche.

Querem chegar àquela vontade expressa pelo empresário Benjamim Steinbruch, do trabalhador comer o sanduíche com uma mão e trabalhar com a outra!

Diz a reportagem de Geralda Doca, em O Globo:

Na prática, tudo o que estiver na CLT poderá ser alvo de negociação.

Não é preciso me alongar aqui sobre a força que cada lado tem numa negociação, desequilíbrio que é ainda maior num quadro onde conservar o emprego já é uma grande vitória.

O espantoso – ou nem tanto – é que existem setores do movimento sindical – em geral, suas elites – que acham muito bom poderem negociar tudo.

Mentira e traição.

A lei trabalhista não impede nenhum benefício a mais.

Intervalos no trabalho não são lazer, do qual se possa abrir mão. São ferramentas necessárias para a saúde e a segurança do trabalhador.

Qualquer pessoa pode ir lá na CLT e ler no artigo 71 que o intervalo, quando a jornada excede seis horas, é para repouso ou alimentação.

Um “gravatinha” pode até dispensar 15 minutos de sua hora , mas imagine um trabalhador da construção civil almoçando em meia hora e em seguida voltando a carregar sacos de cimento ou baldes de concreto…

E é mentira que não possa ser reduzido, se a empresa oferecer e comprovar perante o Ministério do Trabalho, que oferece boas condições para isso (§ 3º).

Como é mentira que essa hora não possa ser trabalhada excepcionalmente, sendo paga com o adicional de 50% igual ao da hora-extra, o que ela é, de fato.

Sindicalista que entrar nessa, em nome de “aumentar o poder de negociação” vai ser visto como quem está vendendo o direito dos trabalhadores.

Quando não o de suas próprias categorias, o dos trabalhadores sem “poder de fogo” sindical, dispersos, cuja única garantia é a lei que, há mais de 70 anos, Getúlio Vargas fez para defendê-los.

Aqueles que não têm sindicato para brigar e que só podem correr atrás de seus direitos quando são demitidos, porque reivindicar, para eles, é o próprio olho da rua!

Serão tão canalhas quanto os que querem fazer o trabalhador brasileiro voltar a condições escravocratas, não importa se cobertos por um “acordo sindical”.

Modernidade é valorização da vida humana, não a sua redução a ferramenta descartável do dinheiro!

emprego

CONTINUEM APOIANDO TEMER COISA MELHOR DEVERÁ CHEGAR.

Share on whatsapp
Share on twitter
Share on facebook
Share on google
Share on linkedin
Share on email

OUTRAS NOTÍCIAS