Tempo - Tutiempo.net

Quase uma revolução, por Gilberto Maringoni

Um Brasil miserável e primário exportador é funcional para os ricos destas terras e seus sócios externos. Podemos ter surtos de crescimento do PIB e nos tornarmos um caso de sucesso global com uma população faminta.

É o modelo perseguido desde os anos 1990, quando o papel absolutamente central do Estado como planejador e indutor da economia foi abandonado em favor de um modelo que pede o fortalecimento de uma burguesia compradora e intermediária de interesses externos.

O Estado foi demonizado desde então, não para que deixasse a economia funcionar, mas para que sua agenda fosse mudada.

Para uma economia extrativista e primário exportadora, poderíamos transformar uma empresa sofisticada e atuante em diversos ramos industriais, como a Vale, em uma mineradora.

Na mesma perspectiva, a Petrobrás se tornaria viável como furadora de poços, sem a etapa industrial do refino, e nada impede que as empresas de energia sejam vendidas na bacia das almas.

Todas podem assim deixar de ser companhias estratégicas para o desenvolvimento e serem transformadas em monopólios privados, cuja única função seria atender ao mercado externo, na maioria dos casos, e gerar gordos dividendos aos acionistas.

O abandono do nacional-desenvolvimentismo há quatro décadas oculta uma mudança de projeto de país.

Nós temos um claro e definido, e Paulo Guedes e seus antecessores Malan, Palocci, Levy e outros o construíram à risca.

Trata-se de aprofundar o caráter dependente, com mercado interno mínimo, desigualdade social e concentração de renda extremas.

Com isso nos tornamos estruturalmente periféricos, com uma elite econômica-financeira opulenta.

É algo perfeitamente viável e pode nos propiciar altas consideráveis no PIB. O Peru cresceu a taxas espantosas na primeira década do século e era tido como caso de sucesso.

Um novo governo democrático digno desse nome deveria ter como meta enterrar a Era neoliberal, como contraponto ao enterro da Era Vargas, propagado por FHC, em 1994.

E ter claro: a única rota de superação é mudar radicalmente o papel e a centralidade do Estado como organizador econômico.

É algo complicado e que enfrentará resistências pesadas. Seria quase como fazer uma revolução. Mas – parafraseando a Sra. Thatcher, com sinal trocado – não há alternativa, se almejamos ter um Brasil menos injusto e desigual.

Gilberto Maringoni de Oliveira é um jornalista, cartunista e professor universitário brasileiro.

Share on whatsapp
Share on twitter
Share on facebook
Share on google
Share on linkedin
Share on email

OUTRAS NOTÍCIAS