Restaurante serve comida com barata dentro e paga R$ 12.000 de indenização

Para esclarecimento de dúvidas. nesse caso de Homônimo.

Share on whatsapp
Share on twitter
Share on facebook
Share on google
Share on linkedin
Share on email
Duas empresas e uma mesma identificação

Recebemos na tarde dessa segunda feira (13.06. 2016) a seguinte explicação sobre a matéria abaixo, e fazemos a publicação para que se proceda uma justa correção dos fatos, provocados  Por ser uma empresa de razão social homônima ao nome fantasia da empresa, conforme explica a própria empresa. A Matéria teve como Fonte, Bahia Negócios.

Deixaremos essa matéria com a explicação do fato por mais algum tempo para que os internautas possam ter conhecimento da situação de homônimo e desfaça as dúvidas que possam existir.

Boa tarde Sr. Carlos Lima,

Falo em nome do meu cliente F4 Fazdolar Alimentos – Restaurante Fazendola.

Conforme adiantei por telefone, o motivo do meu contato é referente a esta matéria:

http://www.cljornal.com.br/economia/restaurante-serve-comida-com-barata-dentro-e-paga-r-12-000-de-indenizacao/

Esclarecendo a situação: na época realmente encontraram uma barata no restaurante RIO NOVO FAZENDOLA, mas esta empresa não tem nenhuma ligação com nossa empresa que funciona desde 1999 e que tem o nome fantasia FAZENDOLA e razão social F4 Fazdolar Alimentos

ESTA É A EMPRESA QUE TEVE O PROBLEMA:

CNPJ do Estabelecimento: 04.944.124/0001-86
Razão Social da Empresa: RESTAURANTE RIO NOVO FAZENDOLA LTDA
Endereço: AV PASTOR MARTIN LUTHER KING JR 126 BL 1 LJ 115 PT
CEP: 20765-000
Bairro: DEL CASTILHO
Município: Rio de Janeiro
Estado: Rio de Janeiro

ESTA É NOSSA EMPRESA:

CNPJ do Estabelecimento:  03.017.971/0001-32

Nome fantasia Fazendola

Razão social F4 Fazdolar Alimentos Ltda – Epp

Endereço R Jangadeiros, 14, Loja A E B

CEP: 22420-010
Bairro: IPANEMA
Município: Rio de Janeiro
Estado: Rio de Janeiro

Site: www.fazendola.com.br

Por ser uma empresa de razão social homônima ao nome fantasia da empresa, foi noticiado uma mistura de informações que gerou erro de interpretação de quem é a empresa da matéria. Na época solicitamos aos jornais de grande circulação a retirada e retratação e fomos atendido.

Por esse email, venho em nome da empresa, pedir que delete a matéria, pois quando os internautas procuram na busca do Google a palavra FAZENDOLA(opção imagem) estão sendo direcionadas a matéria que expõe uma barata e divulga uma informação errônea, denegrindo a imagem do Restaurante.

https://www.google.com.br/search?q=fondue+fazendola&client=firefox-b&source=lnms&tbm=isch&sa=X&ved=0ahUKEwjKvZidwPrMAhVJHZAKHZhgBfMQ_AUICCgC&biw=1469&bih=676#tbm=isch&q=fazendola&imgrc=XmgP8k42jHyS0M%3A

Desde já agradeço e fico a disposição para eventuais dúvidas e esclarecimentos.

Ats

Alexandre de Napoli

 

A MATÉRIA PUBLICADA
Explica Átila A. Nunes, coordenador do serviço Em Defesado Consumidor.com.br , que a autora da ação relatou ter comprado uma refeição do restaurante réu e, durante o consumo, encontrou uma barata no feijão e se dirigiu a um funcionário do estabelecimento, que lhe propôs a devolução da quantia paga, mas não aceitou a oferta. Sentindo-se lesada, decidiu registrar o ocorrido na administração do shopping onde o restaurante está instalado e na ouvidoria da vigilância sanitária.O Desembargador Luciano Sabóia Rinaldi de Carvalho, da 7ª Câmara Cível do Tribunal de Justiça do Rio, condenou o Restaurante Rio Novo Fazendola, em Ipanema, Zona Sul do Rio, a indenizar em R$ 12.000, por danos morais, a cliente Cristiane Aline Bessa.

O responsável pelo Rio Novo Fazendola alegou, em sua defesa, disse ter agido conforme as determinações do Código de Defesa do Consumidor (CDC), pois, ao constatar que a comida estava imprópria, ofereceu à cliente a restituição da quantia paga.

Para o Desembargador, situações como estas causam ao indivíduo transtornos além do razoável, e, mesmo a parte ré tentando defender a sua excelência ao alegar ter agido baseado no CDC, este instrumento legal garante ser a responsabilidade do prestador de serviços objetiva, exigindo, para sua configuração, a demonstração do fato, o dano e o nexo causal, o que foi devidamente comprovado nos autos.

Fonte: Bahia Negócios

OUTRAS NOTÍCIAS