Tempo - Tutiempo.net

Estudante que planejava massacre em escola é preso em Brasília

Após ser preso, o jovem confessou participar de grupos com ideais nazifascistas e de extrema-direita.

Na casa foram apreendidas armas, celulares e uma máscara do personagem fictício Jason Voorhees. Também foram encontrados conteúdos de cunho pornográfico infantil

Policiais Civis da Delegacia Especial de Repressão aos Crimes Cibernéticos (DRCC), prenderam na terça-feira (29), na Asa Sul, em Brasília (DF), um jovem de 20 anos, por planejar cometer massacres em escolas e eventos da capital.

Após expedição do mandado de busca e apreensão, os policiais estiveram na casa do suspeito.

Em depoimento à polícia, o jovem confessou o plano e detalhou atos de grave violência e confessou participar de grupos com ideais nazifascistas e de extrema-direita.

Na casa do jovem, os agentes apreenderam quatro celulares, uma arma de airsoft, taco de beisebol, facas e uma máscara do personagem fictício Jason Voorhees, assassino da série de filmes slasher ‘Sexta-Feira 13’.

Durante as buscas, os investigadores encontraram, ainda, conteúdos de cunho pornográfico infantil armazenados no celular do estudante. A ação faz parte da segunda fase da Operação Shield, que tem como objetivo reprimir ações graves de violência.

A investigação durou cerca de dois meses e contou com apoio do Instituto de Criminalística (IC), da Adidância da Polícia de Imigração, da Alfândega dos Estados Unidos da América (U.S. Immigration and Customs Enforcement) e da Agência de Investigações de Segurança Interna (Homeland Security Investigations ou HSI) em Brasília, que levantou informações sobre indivíduos com a possível intenção de cometer atos graves de violência, incluindo massacres escolares.

A Coordenação do Laboratório de Inteligência Cibernética do Ministério da Justiça e Segurança Pública realizou a investigação preliminar e repassou as informações à PCDF. Dessa forma, a corporação, por intermédio da DRCC, passou a dar prioridade ao caso.

Na ocasião, a equipe também encontrou materiais relacionados à pornografia infantil armazenados em seu celular. O suspeito preso armazenava fotografias e vídeos contendo cena de sexo explícito ou pornográfica envolvendo criança e adolescente.

Para o delegado do caso, Dário Freitas, a ação das polícias neutralizou uma tragédia. “O caso é um excelente exemplo em que a cooperação policial internacional, bem articulada entre os países (EUA e Brasil), o Laboratório de Inteligência Cibernética (SEOPI) e a PCDF, neutralizou uma tragédia, cujas consequências nefastas incalculáveis, com prováveis dezenas de vítimas de ataque em Brasília”.

RPP

Share on whatsapp
Share on twitter
Share on facebook
Share on google
Share on linkedin
Share on email

OUTRAS NOTÍCIAS