Tempo - Tutiempo.net

Estudantes baianos, rede estadual, finalistas em oito projetos na Feira Brasileira de Ciências e Engenharia

Estudantes baianos na Feira de Ciências e Engenharia

A ciência, com sua aplicação no cotidiano em prol do bem-estar e da melhoria da qualidade de vida, vem motivando estudantes da rede estadual da Bahia.

Os projetos desenvolvidos no âmbito do programa Ciência na Escola, da Secretaria da Educação do Estado (SEC-BA), já estão gerando resultados concretos. Oito instituições públicas estaduais são finalistas da Feira Brasileira de Ciências e Engenharia (Febrace), programa que estimula a cultura científica, o saber investigativo, a inovação e o empreendedorismo em jovens e educadores da Educação Básica e Técnica do Brasil.

Ao todo, 22 projetos baianos foram classificados para a etapa final da Febrace. Entre eles estão os projetos desenvolvidos por estudantes do Colégio Estadual Ana Lúcia Castelo Branco – Tempo Integral, do município de Brejões; Colégio Estadual Antônio Batista – Tempo Integral, em Candiuba; Colégio Estadual Castro Alves – Tempo Integral, em Adustina; Colégio Estadual José Antônio de Almeida, em Santanápolis; Centro Territorial de Educação Profissional de Serrinha, em Serrinha; Colégio Estadual Professor Carlos Valadares, em Santa Bárbara; Centro Juvenil de Ciência e Cultura, em Barreiras; e Centro Juvenil de Ciência e Cultura – Central, em Salvador.

O professor de Física, Elifa Miranda Mascarenhas, destaca que a prática da pesquisa oferece aos alunos a oportunidade de aplicar conceitos teóricos aprendidos em sala de aula em situações do mundo real. Isso promove uma compreensão mais profunda e contextualizada do conhecimento.

“Ao longo da minha jornada como professor de iniciação científica, vejo que essa prática tem desempenhado um papel fundamental no desenvolvimento acadêmico, intelectual e profissional dos estudantes, estimulando o questionamento, assim como a análise e a interpretação das informações de maneira crítica.

Eles aprendem a avaliar evidências, formular hipóteses e chegar a conclusões baseadas em dados. Tenho observado que essa prática estimula a curiosidade, levando-os a explorar temas de seu interesse”, afirma.

Sob sua orientação, três estudantes do Colégio Estadual Ana Lúcia Castelo Branco – Tempo Integral, do município de Brejões, são finalistas da Febrace: Taís Soares dos Santos, Tainá de Jesus Guedes e Mikael da Silva Bispo. Eles criaram dispositivos detectores de obstáculos para deficientes visuais.

“Os projetos de iniciação científica em nossa escola têm possibilitado o desenvolvimento do protagonismo científico no que tange a proposição de soluções para os problemas da sociedade local, fortalecendo, assim, a relação escola e comunidade. Portanto, os alunos têm a oportunidade de fazer contribuições significativas, mesmo que modestas, para a compreensão e resolução de problemas locais ou globais”, explica Elifa Miranda.

Ciência na prática

Motivados pela vontade de ajudar uma colega com deficiência visual, bem como pela oportunidade de aplicarem o conhecimento científico no cotidiano, é que o grupo de estudantes decidiu criar detectores de obstáculos. Para Taís Soares Santos, 18 anos, a ciência é um instrumento poderoso e que só faz sentido se for em prol da vida.

“É gratificante desenvolver algo para ajudar as pessoas. Nossa colega Esther Pinheiro tem dificuldade visual. Nossa ideia foi utilizar a tecnologia, a partir do que aprendemos em sala de aula, para minimizar ao máximo as barreiras do dia a dia dela, permitindo uma melhora significativa dos seus padrões de marcha, velocidade de caminhada, mobilidade e, ainda, derrubar as barreiras sociais e possibilitar a inclusão social”, enumerou ela.

Protótipos

Foram desenvolvidos dois protótipos detectores de obstáculos, a partir da adaptação de dois sensores ultrassônicos – um sensor no boné e outro no cinto –, que emitem um sinal de onda na frequência do ultrassom.

Dessa forma, quando a pessoa se aproxima de algum obstáculo, um motor de vibração é acionado como alerta. Com esses sistemas, é possível ao usuário se locomover com menos dificuldade e mais segurança.

SEC-BA

OUTRAS NOTÍCIAS