Primeira turma de veterinários da Reforma Agrária

Share on whatsapp
Share on twitter
Share on facebook
Share on google
Share on linkedin
Share on email
Primeira Turma

No meu tempo de vestibular, existia a “Lei do Boi”, uma cota nos cursos de Veterinária, Agronomia e outros ligados à agropecuária exclusiva para os filhos de proprietários rurais.

Acabou, porque era absurda: gente rica, com a melhor educação tomava a vaga de quem lutava com muito mais dificuldades.

Sexta-feira, em Pelotas (RS) formou-se a primeira turma de médicos veterinários exclusivamente formada por filhos de agricultores de assentamentos da Reforma Agrária.

45 homens e mulheres, dali do Rio Grande do Sul ou vindos de Santa Catarina, Paraná, Ceará, Mato Grosso do Sul e Minas Gerais.

Não tiveram vida fácil, nem antes da faculdade, nem para entrar e muito menos para se formar.

O Ministério Público tentou proibir o curso e conseguiu, durante quatro anos, até que o STJ reconheceu que filho de lavrador precisa e tem direito a ter educação que lhe permita ajudar suas famílias e comunidades.

Depois, porque as regras são duras: quem não conseguiu boas notas e foi reprovado em alguma disciplina, ficou de fora. Isso eliminou um quarto dos 60 alunos que começaram o curso.

Um dos formandos, Jucélio Batista, de 35 anos, vai voltar para o assentamento Bituruna, no Paraná, como o primeiro de 10 irmãos a ter curso superior.

Vai ser o responsável  agroindústria de beneficiamento de mel de abelhas. “Foram cinco anos de luta e a ideia é contribuir de volta com o movimento”.

FERNANDO BRITO

OUTRAS NOTÍCIAS