Tempo - Tutiempo.net

Professores que negam a ciência, o que de pior poderemos esperar

Professores negando a ciência

A negação a ciência teve sua origem no campo da religiosidade. A idade média foi marcada por atrocidades e arbitrariedades que muitos cientistas sofreram em decorrência da negação científica e imposição de crenças, com base em preceitos religiosos.

Mas ainda na idade média, a negação foi ampliada do âmbito religioso para o político.

Em muitos momentos, oprimir a ciência e, principalmente, a liberdade de pensar, como forma de manter a dominação e restrição de direitos, serviu aos políticos.

Da mesma forma, a pauta negacionista é conveniente para dialogar com públicos conservadores, que quando contemplados são convertidos em eleitores.

O cunho religioso geralmente serve de suporte para esses políticos, que fazem uma leitura da Bíblia sob a ótica que lhes parecer mais apropriada.

Isso pode ser constatado quando se debate o aborto, o criacionismo e até o uso de vacinas.

Não é apenas uma questão de crença, há também uma clara intenção de identificação com pautas que em última instância renderão votos.

Em meio a pandemia, a negação a ciência por determinados grupos ficou ainda mais evidente.

Negar a proliferação do vírus, questionar as medidas restritivas e o uso de vacinas evidenciou uma terceira questão, que tentam mascarar apesar de sempre presente, que é a econômica.

O negacionismo carrega interesses religiosos, políticos e financeiros.

Quando Trump e Bolsonaro espalharam insanidades com relação a pandemia, deixaram claro com qual grupamento político, econômico e religioso estavam dialogando.

Foi esse público que deu eco aos mais diversos absurdos propagados.

A negação também serve aos interesses econômicos dos que gritaram pela abertura indiscriminada dos serviços e do comércio, como também, o questionamento ao uso de máscara, distanciamento social e aplicação de vacinas.

Com o avanço da vacinação algumas pessoas de grupos classificados como prioritários têm se recusando a vacinar. Policiais militares e civis, bombeiros, religiosos, políticos e, o mais impressionante, professores estão entre os que negam a vacina.

Se o negacionismo pressupõe ignorância e desconhecimento sobre o assunto, o que se pode dizer quando um professor não quer se vacinar e coloca em questão a eficácia das vacinas como melhor forma para prevenir o contágio, proliferação da doença, aparecimento de novas variantes e, principalmente, a proteção de crianças e jovens que assistirão suas aulas?

Notem que não estamos falando de fundamentalistas religiosos, grupos armamentistas ou empresários que pregam o vale-tudo em defesa dos seus interesses econômicos.

A categoria em questão deve pautar suas decisões pela ciência e as determinações coletivas, visto que, sua atividade implica em levar risco a terceiros. Dessa forma, não cabe qualquer argumento sobre direitos individuais.

Para quem acha que o absurdo não pode ser pior. Temos doutores e pós-doutores que buscam argumentos em estudos sem qualquer credibilidade, comparações a experiências que não se aplicam a situação, mas que de posse dos títulos que carregam, promovem a desonestidade intelectual para fazerem valer suas crenças e desrespeito a humanidade.

Alguém que se diz cientista em um determinado campo de estudo, deveria saber que devemos ter respeito pelo que é estudado em outras áreas.

Quem carrega o título de professor e busca falsas controvérsias para justificar crenças, além de mostrar dissonância cognitiva, expõe o mau-caratismo.

No caso de uma pandemia, que a negação coloca em risco a vida dos outros, é um criminoso.

Quando nos deparamos com professores que contradizem a ciência, fica fácil entender um presidente que toma posições políticas que acarretam em milhares de mortes.

É temerário saber que existem muitos Bolsonaros no Brasil chamados de mestres.

A pandemia tem devastado o mundo com mortes e explicitado distorções inimagináveis.

Temos médicos defendendo o uso de tratamentos ineficazes que podem matar, policiais que descarregam ódio em quem protesta contra um governo genocida, até professores que negam a ciência e se opõem a vacina.

Se existe ainda algo pior por vir, faz medo prever.

Anderson Pires

Share on whatsapp
Share on twitter
Share on facebook
Share on google
Share on linkedin
Share on email

OUTRAS NOTÍCIAS