Tempo - Tutiempo.net

Em meio a tensão política, Roman Abramovich entrega comando do Chelsea

Abramovich e Azplicueta com o troféu: Mundial de Clubes era o único título que faltava para o magnata russo desde que ele virou dono do clube em 2003

Em um comunicado oficial curto, o empresário russo Roman Abramovich anunciou que está entregando o comando do Chelsea.

A atitude do bilionário vem após muita pressão da opinião pública britânica sobre sua relação próxima a Vladimir Putin, presidente da Rússia.

Apesar disso, na nota, Abramovich não cita questão alguma envolvendo a guerra entre russos e ucranianos para sua bombástica decisão.

O governo britânico tinha anunciado na quinta-feira sanções contra empresários russos após o início da invasão à Ucrânia.

“Durante meus quase 20 anos de posse do Chelsea FC, disse: sempre considerei meu papel como guardião do clube, cujo trabalho é garantir que sejamos tão bem-sucedidos quanto podemos ser hoje, bem como construir para o futuro, ao mesmo tempo desempenhando um papel positivo em nossas comunidades. Sempre tomei decisões com o melhor interesse do clube no coração. Continuo comprometido com esses valores. É por isso que hoje estou dando aos curadores da Fundação de caridade do Chelsea a administração e os cuidados do Chelsea FC. Acredito que atualmente eles estão na melhor posição para cuidar dos interesses do Clube, jogadores, funcionários e torcedores”, diz a nota publicada no site oficial do Chelsea.

Roman Abramovich assumiu o controle do Chelsea em 2003 e investiu mais de 2 bilhões de libras em quase 20 anos.

O time inglês é o atual campeão da Liga dos Campeões e do Mundial de Clubes. Sua fortuna é estimada em 8,4 bilhões de libras.

Tuchel admite que guerra na Ucrânia tem afetado elenco do Chelsea: “Nos sentimos horríveis”

O deputado Chris Bryant, do Partido Trabalhista do Reino Unido, revelou na quinta-feira documentos de 2019 do governo britânico que ligavam Abramovich ao governo de Vladimir Putin.

O membro do Parlamento pediu na Câmara dos Comuns que o empresário fosse removido do clube inglês, como parte das sanções contra a Rússia pela invasão à Ucrânia.

O parlamentar britânico disse que o bilionário Abramovich já admitiu em processos judiciais que pagou por influência política, e que teria vínculos com o Estado russo e associação com atividades e práticas corruptas.

Ele seria um dos 35 oligarcas identificados pela oposição na Rússia como do círculo de apoio de Putin.

Um dia antes do pedido do parlamentar, o jornal “The Sun” publicou uma matéria informando que Roman Abramovich estaria impedido de morar no Reino Unido, com funcionários da Imigração britânica com instruções para garantir que ele não conseguisse o visto necessário.

Essa reportagem motivou a manifestação do parlamentar Chris Bryant.
O bilionário russo retirou um pedido de visto para o Reino Unido em 2018. No mesmo ano, ele adquiriu cidadania israelense, que lhe permite permanecer na Grã-Bretanha por até seis meses.

Ele foi visto em Londres em outubro do ano passado. O primeiro-ministro Boris Johnson declarou que Abramovich não foi alvo de medidas direcionadas

Redação do ge — Londres

Share on whatsapp
Share on twitter
Share on facebook
Share on google
Share on linkedin
Share on email

OUTRAS NOTÍCIAS