Tempo - Tutiempo.net

Herói dos “coxinhas” leva um verdadeiro chute no traseiro sujo

Muita gente que saiu às ruas nas marchas golpistas, vestindo a camiseta da CBF, exigindo o “padrão Fifa” para o Brasil e rosnando pelo impeachment da presidenta Dilma, já deve estar com a sensação de que levou um baita chute no traseiro.

A prisão de vários mafiosos do futebol – que não contou com a ajuda da Polícia Federal contra os cartolas amigos, nem do carrasco Sérgio Moro, frequentador dos convescotes da CBF, e nem do “jornalismo investigativo” da Rede Globo – complicou de vez o falso discurso ético dos tais “coxinhas”.

Agora, o vice-presidente da Fifa, Jérôme Valcke, que ganhou os holofotes da mídia ao esbravejar que o Brasil merecia um “chute no traseiro” na preparação da Copa do Mundo e virou heroi dos direitistas, também apareceu na lista dos metidos na roubalheira.

Segundo reportagem do jornal “The New York Times”, publicada na segunda-feira (1), a Justiça dos EUA já teria provas de que o número dois da Fifa estaria envolvido no esquema de corrupção na entidade.

Funcionários do governo ianque apontaram o francês Jérôme Valcke como o responsável pela transferência de US$ 10 milhões (cerca de R$ 32 milhões) usados para o pagamento de propinas.

Ele seria o “alto funcionário da Fifa” que, segundo o indiciamento, transferiu o montante para contas controladas por Jack Warner, ex-presidente da Concacaf, a confederação de futebol das Américas do Norte e Central.

O pagamento teria sido feito em três parcelas, entre janeiro e março de 2008.

A revelação complica ainda mais a vida dos mafiosos do futebol internacional e brasileiro – sete deles já estão presos, inclusive o ex-presidente da CBF, José Maria Marin.

Ela também ainda respingar nas empresas patrocinadoras dos jogos da Copa e nas “transmissoras televisivas”. Jérôme Valcke, o novo personagem do escândalo, tornou-se famoso dos brasileiros nos preparativos da Copa de Mundo do ano passado.

Durante vários meses, ele circulou pelos estádios nacionais esbanjando arrogância e autoritarismo.

Jornalista com passagens pelos departamentos de esportes de TVs francesas, ele chegou ao topo da Fifa em 2003, assumindo o cargo de diretor de marketing e televisão da entidade.

Em março de 2012, ele ganhou as manchetes da mídia colonizada ao afirmar que o Brasil merecia um “chute no traseiro” para acelerar as obras da Copa.

O governo brasileiro reagiu à bravata do cartola e cobrou uma retratação formal da Fifa, que foi feita a meia boca.

De imediato, Jérôme Valcker virou o herói das elites decadentes, que padecem do complexo de vira-lata e não vacilam em usar de todas as baixarias para derrubar ou “sangrar” a presidenta Dilma.

Agora, muitos “coxinhas” devem ter sentido o impacto do chute nos seus traseiros sujos!

Fonte: Altamiro Borges

Share on whatsapp
Share on twitter
Share on facebook
Share on google
Share on linkedin
Share on email

OUTRAS NOTÍCIAS