Tempo - Tutiempo.net

Homenagens e parcerias para projetos marcam abertura do Novembro Negro na Bahia

Abertura do novembro negro no Teatro Castro Alves

Na Bahia, o mês de novembro vem mantendo a tradição em reafirmar a luta e a resistência do povo negro.

No Teatro Castro Alves (TCA), na noite de segunda-feira (8), aconteceu a sexta abertura oficial do Novembro Negro. O evento realizado pelo Governo do Estado, por meio da Secretaria de Promoção de Igualdade Racial (Sepromi), diferente do ano passado, que por conta da pandemia foi realizado de maneira virtual, seguiu os protocolos sanitários, com limitação de público.

Com o tema ‘Com racismo não há Democracia’, o evento foi transmitido ao vivo pela TVE e incluiu shows do bloco afro Ilê Aiyê, DJ Belle, Gerônimo e Bando de Teatro Olodum, que animaram o público presente no teatro.

A programação foi marcada também por homenagens a personalidades que contribuíram com a implementação de políticas afirmativas no estado e apresentação de peças da campanha institucional contra o racismo.

No discurso de abertura do evento, a secretária de Promoção da Igualdade Racial, Fabya Reis, homenageou todos os ex-secretários da pasta, além de ressaltar os 15 anos de políticas afirmativas na Bahia, único estado que preserva uma secretaria específica para tratar da questão racial.

“O Novembro Negro traz ao TCA o conjunto das ações realizadas pelo Governo do Estado, numa ação transversal que já perdura 15 anos de promoção da igualdade racial, em parceria com nossos colegas secretários e secretárias, através do nosso conselho e com o apoio dos movimentos sociais baianos.

O espetáculo tem um sabor especial: essa emoção de celebrar a vida.

Celebramos também os termos de formalização do edital Década Afrodescendente, que vai minorar os efeitos econômicos da pandemia em nossa população negra”, ressaltou a secretária.

Na ocasião, foram firmadas parcerias da ordem de R$ 3 milhões para projetos voltados ao fortalecimento econômico da população negra e comunidades tradicionais.

O edital Década Afrodescendente contemplou 23 projetos, entre eles o do cantor e mestre de capoeira Tonho Matéria, que acredita que ações como essa são capazes de transformar a vida de toda uma comunidade.

“A gente consegue transformar a nossa comunidade quando uma secretaria atua no sentido de dialogar com os seus, para trazer políticas públicas e promover ações afirmativas para nossos jovens e famílias negras de comunidade”, afirmou Tonho.

Durante as homenagens prestadas, o primeiro presidente da Fundação Palmares, Carlos Moura, recebeu o prêmio Mérito da Igualdade Racial.

A ministra chefe da Secretaria de Políticas de Promoção da Igualdade Racial do Brasil, entre 2011-2014, Luiza Bairros, recebeu homenagem póstuma.

Presente no evento, a sobrinha de Luiza agradeceu o reconhecimento à luta contra a desigualdade racial que sua tia travou durante toda a vida.

A também ex-ministra da Igualdade Racial, Matilde Ribeiro, foi mais uma homenageada. “A data de 20 de novembro, Dia Nacional da Consciência Negra, se proliferou pelo Brasil como uma marca que hoje é comemorada em todos os espaços públicos e privados.

A Bahia, por ser um estado culturalmente muito forte, do ponto de vista da cultura africana, uniu as duas coisas, traz o resgate da história e a comemoração da luta e da vivacidade dos movimentos negros no Brasil, transformando o 20 de Novembro num marco de mobilização que extrapola o estado”, disse Matilde.

O mês de novembro tem se tornado referência para atividades em torno do movimento da consciência negra, que é celebrado no dia 20.

Este dia relembra a morte de Zumbi dos Palmares, líder do quilombo dos Palmares, além de reconhecer o legado de Maria Quitéria, Carlos Marighella, Dandara, Luiz Gama e entre outros lutadores negros.

Ao longo do mês estão previstas ações culturais intensas voltadas ao tema. A agenda está disponível no site da Sepromi.

Leiliane Fláu

Share on whatsapp
Share on twitter
Share on facebook
Share on google
Share on linkedin
Share on email

OUTRAS NOTÍCIAS