Tempo - Tutiempo.net

Projeto resgata cultivo de plantas medicinais e litúrgicas em terreiros de candomblé

Especie medicinal

Manjericão, arruda, água de alevante e guiné são algumas das 25 espécies de plantas que começam a ser cultivadas em 12 terreiros de candomblé nos municípios de Salvador, Dias D`Ávila, Camaçari e Lauro de Freitas.

A iniciativa é parte do Projeto Rede de Hortos para Beneficiamento de Plantas Medicinais e Litúrgicas (Rhol), beneficiado pelo Edital de Apoio aos Empreendimentos de Matriz Africana da Secretaria do Trabalho, Emprego, Renda e Esporte (Setre).

De acordo com o coordenador-executivo do Projeto, Aloísio Santtos, os beneficiários receberam capacitação envolvendo educação ambiental, cooperativismo e agroecologia.

“Além da liturgia, estamos formando uma cooperativa que vai beneficiar e comercializar essas plantas, seja na parte fitoterápica, cosmética e até mesmo na alimentação”, explicou.

Passada a fase de capacitação, foi iniciado o plantio das hortas. “Antes dessa etapa, fizemos uma coleta e análise do solo, quando identificamos as deficiências de cada um e fizemos as correções necessárias”, contou o engenheiro agrônomo do projeto, Fábio César Andrade.

A equipe de técnicos é também formada por um biólogo e um farmacêutico.

Um dos terreiros que iniciaram a implantação da horta é o Ilé Axê Sufucian Undê, no bairro de Fazenda Grande, em Salvador. A líder da casa, a ialorixá Zelinha de Becen, elogiou a iniciativa.

“Além do custo que é trazer as folhas das feiras livres e até de fora de Salvador, é necessário todo um ritual para coleta e manuseio dessas plantas. Com o plantio em nossos terreiros, podemos fazer isso de uma forma mais correta”, comemorou.

“O Projeto Rhol exemplifica o objetivo do Edital de Apoio aos Empreendimentos de Matriz Africana, que é o resgate e fortalecimento da cultura africana e a possibilidade de geração de trabalho e renda nessas comunidades, respeitando os conceitos da economia solidária”, avaliou o superintendente de Economia Solidária da Setre, Milton Barbosa.

Matriz Africana

O Rhol é um dos 54 projetos beneficiados pelo Edital, que tem recursos no valor global de R$ 9 milhões. A entidade executora, a Organização Filhos do Mundo, recebeu da Setre R$ 722 mil para implantar a rede de hortos. Serão beneficiadas diretamente 60 famílias integrantes das comunidades tradicionais de terreiro de candomblé envolvidas nas ações do projeto.

ASSESSORIA

Share on whatsapp
Share on twitter
Share on facebook
Share on google
Share on linkedin
Share on email

OUTRAS NOTÍCIAS