Tempo - Tutiempo.net

Rui Costa: ‘O que é mais importante, 48h de loja funcionando ou a vida?’

Governador chora ao falar de medidas restritivas. Assista o vídeo abaixo.

Foto: Reprodução/TV Bahia

O governador da Bahia, Rui Costa, se emocionou ao falar da prorrogação das medidas restritivas no estado, nesta segunda-feira (1º).

Ele também questionou a população sobre o descumprimento das medidas implantadas para tentar impedir o avanço da Covid-19 no estado (assista ao vídeo abaixo).

A Bahia tem 84% de ocupação dos leitos de Unidade de Terapia Intensiva (UTI), de acordo com dados da Central Integrada de Comando e Controle da Saúde.

“Eu espero que esse sufoco desses dias sirva para alertar aquelas pessoas que têm saído na rua sem máscara, que têm ido para festas e aglomeração. Eu quero que elas pensem. Se elas são evangélicas, católicas, espíritas, que pensem no exercício da nossa espiritualidade, da nossa fé, não pode ficar apenas na retórica”, disse Rui Costa.

“Nós temos que nos perguntar: ‘Quantas vidas humanas essa bebedeira vale?’. ‘Por quantas vidas humanas eu vou ser responsável, por ir para balada e festas em Teixeira [de Freitas], em Prado ou Eunápolis?’. ‘Quantas vidas humanas serão necessárias para justificar o meu comportamento?’. ‘Ah, eu tenho meu direito individual de ficar bêbado, de encher os bares, de ir para paredão no meio da rua’”, continuou.

O governador questionou ainda se direitos individuais estão acima do bem estar coletivo, de uma doença que ele mesmo caracterizou como coletiva.

“Seu direito individual é superior à dor de mães e pais que estão perdendo seus filhos? Acabei de ver agora há pouco um pai chorando, desesperado, porque perdeu a filha de 16 anos para a Covid-19″.

“Não é fácil. É duro receber mensagens de pessoas que perguntam assim: ‘E o meu negócio? E a minha loja?’. O que é mais importante: 48 horas de uma loja funcionando, ou a vida humana?”, questionou o governador, no momento em que se emociona. “Desculpe, eu não consigo falar”, acrescentou.
‘Apavorados’, ‘entrando em colapso’, ‘semanas muito difíceis’…

Ainda segundo Rui Costa, a adoção de medidas restritivas foi necessária porque este é o pior momento da pandemia desde março do ano passado.

“A emoção, de fato… Não é fácil e não gostaríamos de estar tomando decisões como essas. Gostaria sim, que todas as pessoas estivessem usando máscaras, mesmo aquelas que se consideram super homens, se consideram jovens. Se não for por eles, pelo menos que seja pelas mães, pelo pai, pela avó. Eu fico me perguntando se as pessoas sozinhas decretaram o fim da pandemia”.

Ele disse também que espera que essa prorrogação de 48 horas seja necessária para conter momentaneamente o avanço da pandemia, e que sente “inveja” de países onde as pessoas estão seguindo as medidas coletivas de proteção, como a China.

 “Eu espero que essas 48 horas sejam necessárias. Eu às vezes olhos para a China, para a Ásia, olho para a Alemanha e outros países, e eu sinto uma inveja enorme do comportamento social dessas pessoas, da compreensão de que a doença não é individual. Essa doença não é como um câncer, que é individual, essa é uma doença coletiva. Ou a gente vai tomar consciência disso ou nós não nos livraremos tão cedo dessa doença”.

“É importante falar que, por ser uma doença coletiva, nós só vamos nos livrar dela com comportamento coletivo. Enquanto alguns acharem que pode ir para os bares encher a cara de cachaça, ir para balada e festas, sem nenhum peso na consciência de quantas pessoas estão morrendo, nós não vamos vencer essa doença”.

 

G1 BA

Share on whatsapp
Share on twitter
Share on facebook
Share on google
Share on linkedin
Share on email

OUTRAS NOTÍCIAS