Salvador, Feira e Ilhéus registram mais trabalho escravo do que na zona rural

Share on whatsapp
Share on twitter
Share on facebook
Share on google
Share on linkedin
Share on email

Continua existindo trabalho escravo no Estado da Bahia. Os métodos foram modificados na tentativa de não contrariar a Lei Áurea, assinada há 126 anos.

O trabalho escravo agora tem outro nome, ele passou a ser identificado como “trabalho análogo à escravidão”.

Com certeza não é apenas uma questão de semântica. Na verdade ao longo dos anos essa situação degradante de trabalho tem sido uma prática habitual.

Sua expansão é alarmante, antes identificada apenas na zona rural, agora se expande nas zonas urbanas.

As grandes fazendas e os grandes latifúndios permanecem com essa prática, principalmente nas regiões do Sul, Sudeste e Extremo Oeste.

No entanto, de março do ano passado (2013), até o final de março desse ano (2014), 87 pessoas foram resgatadas em condições degradantes em Salvador, Feira de Santana e Ilhéus, áreas urbanas no Estado da Bahia, que registra a terceira no país.   

Fonte: Redação cljornal

OUTRAS NOTÍCIAS