Seca compromete festejos juninos na Bahia

Share on whatsapp
Share on twitter
Share on facebook
Share on google
Share on linkedin
Share on email

A seca causada pela estiagem, que mantém 214 cidades em situação de emergência, terá reflexos na tradicional festa pelo segundo ano consecutivo.

 

Em Senhor do Bonfim, um dos destinos mais procurados, uma audiência pública será realizada nesta sexta-feira para decidir se haverá a comemoração junina. Em São Gonçalo dos Campos, o evento já foi cancelado e em outras cidades haverá reduções no número de atrações, principalmente as de impacto nacional, com cachês acima dos R$ 300 mil.

 

O chefe de gabinete da prefeitura de Senhor do Bonfim, Ricardo Aquino, explica que a situação de abastecimento na cidade é crítica. Por isso, caberá à população decidir sobre os festejos. “Se não tiver o São João, vai ser a primeira vez na historia da cidade. Recebemos quase 40 mil turistas”, explica.

Em São Gonçalo dos Campos, o evento já foi cancelado e em outras cidades haverá redução no número de atrações, como Amargosa, Jaguarari e Vitória da Conquista. Cidades como Crisópolis, Itaberaba e Entre Rios definirão em abril o formato da festa.

 

O secretário estadual de Turismo, Domingos Leonelli, afirmou que há um chamamento público para contemplar municípios com projetos de festejos juninos. “São R$ 6 milhões para investimento. Os valores de cada projeto variam de R$ 30 mil a R$ 120 mil”, informou o secretário, que reconheceu os efeitos da estiagem, mas criticou cancelamentos. “O São João é a data mais importante da economia da Bahia, mais que o Carnaval. Vende-se mais cerveja no São João. Tirar a festa de uma cidade é impactar na economia e nas tradições”, declarou.

Fonte: Redação / Correio

OUTRAS NOTÍCIAS