Candidato envolvido com desvio de recursos públicos não têm concepção de justiça social/por Carlos Lima

Share on whatsapp
Share on twitter
Share on facebook
Share on google
Share on linkedin
Share on email

Com 20 anos de poder político em Feira de Santana, acredito ter chegado o momento para reflexão mais profunda sobre o que Feira de Santana e o seu povo precisam para retomar o desenvolvimento, mesmo porque, esse é o momento para debater propostas embasadas em concepções de justiça social e econômica, para melhorar a vida cotidiana.

As eleições no município, em que pese o impacto de décadas, com aliciamento e aplicação do dinheiro público de forma quase irresponsável, conforme denúncias, suspeitas, e a realização da Operação Pityocampa sobre o desvio de mais de 100 milhões de reais na área de saúde do município.

Diante de tais condicionantes, o feirense não pode desconhecer e aceitar que candidatos envolvidos em corrupção, respondendo a processos, com um histórico político que consta passagem por prisões e envolvimento no desvio de recursos públicos, possa continuar ou administrar o município.

Quem possui características de bom político não acumula improbidade administrativa no seu curriculum.

O que não é o caso de candidato a prefeito e vice na terra de Lucas.

Para aqueles que consideram Lucas como criminoso, a possibilidade é histórica e aceitável.

O feirense, nessas eleições municipais, precisa discutir seriamente a cidade e as condições do seu povo.

Diante desse processo eleitoral tão sui generis, com uma grave crise de coronavírus, escancarada e repleta de mazelas na aplicação de recursos e combate ao vírus, é preciso algumas indagações.

Como candidatos e candidatas a Prefeitura e Câmara de Vereadores de Feira de Santana pretendem, na rede municipal de ensino, por exemplo, conduzir o retorno às aulas presenciais em 2021?

O que propõem para a volta segura, e inclusiva?

O que apresentam para recuperar este ano letivo, perdido, por grande parte de crianças e adolescentes da rede municipal de ensino?

O que pretendem fazer para resgatar os mais de 100 milhões de reais desviado da saúde do município?

O que farão para tornar viável o BRT que não funciona e não vai a lugar nenhum?

Quais os projetos para modernizar o sistema de transporte coletivo, recuperando, ou não, os terminais que estão  sendo gradativamente abandonados?

O que apresentam para avançar na construção de políticas educacionais no âmbito municipal?

Até agora não vislumbramos ou enxergamos essas simples preocupações para com o município e seu povo.

A não ser, declaração do atual presidente da Câmara de Vereadores, José Carneiro que se diz  preocupado e trabalhando apenas para sua reeleição.

Sem dúvida essa foi à verdadeira, a mais perfeita definição, para alguém que se diz representante do povo. É auto reconhecimento, deve ser aplaudido pela sua sinceridade.

Do que se pode lançar mão para combater desigualdades socioeconômicas locais?

Precisamos perguntar isso aos postulantes ao Executivo e Legislativo municipal, e exigir desses candidatos coerência e propostas de equidade.

Portanto, chegou a hora de seguir por novos caminhos. Vinte anos de submissão consolida a cegueira da subserviência.

Carlos Lima

OUTRAS NOTÍCIAS