Colbert não é assassino, é incompetente política e administrativamente/por Carlos Lima

Share on whatsapp
Share on twitter
Share on facebook
Share on google
Share on linkedin
Share on email
Operação Voucher no esquecimento?

Não sei de onde o prefeito de Feira de Santana tirou a ideia de que existe uma onda de ódio na política feirense.

Uma simples pichação não justifica sua tentativa de carimbar a oposição como desesperada. Quando na realidade ele é possuidor, no momento, do maior índice de rejeição política, além de ter uma administração coberta pelo  manto da suspeição, segundo comentários de grande parte da população.

Diante dos exemplos controversos do presidente da República, que recebe o seu apoio, não seria de se duvidar que a pichação, em questão, que tanto o incomodou, não tenha partido de aliados, na tentativa de desconstruir a realidade sombria que permeia seu governo.

Os ataques mais virulentos à administração de Colbert Martins parte do deputado Estadual, Targino Machado (DEM), mesmo partido do seu mentor, o ex-prefeito José Ronaldo, definidor de suas ações.

Targino foi traído pelo seu partido, ao negar a possibilidade de apresentar seu nome na Convenção Municipal como candidatura a prefeito, deixando explicito que o apoio partidário estava definido para a reeleição do Mdebista, Colbert Martins.

O fato lembra o presente dos gregos aos troianos.

Quando o gestor afirma que:

“Nós estamos vivendo um momento muito difícil com a pandemia, com gente sofrendo, morrendo, e esse tipo de violência é do mais baixo nível”.

Não é tão difícil identificar aqueles que ao longo de suas ações  e práticas políticas registraram tal comportamento.

O que pode ser má fé ao dizer:

“agiu com extrema má fé, porque a letalidade em Feira é menos que a registrada em Salvador, no Nordeste, na Bahia e no Brasil” (…)

Como se ele fosse o responsável direto pelas medidas que contiveram o avanço da pandemia no Estado.

Será que a “Operação Voucher” caiu no esquecimento da “má fé”.

Talvez seja por esse motivo que a transparência dos recursos recebidos, em mais de 52 milhões de reais, para ser investido na contenção da pandemia, tenham sido diluídos nas atitudes passadas.

“Se a oposição está tentando me atrair para um jogo sujo, pode mudar de tática.” Disse.

Mais um grave equívoco da parte desse mandatário de “araque”. A oposição deseja apenas que a justiça seja feita e alcance os verdadeiros culpados.

Raramente o raciocínio lógico pode se dar ao luxo de concordar com as decisões do executivo. Mas, na declaração de que vai oficiar solicitação à Polícia Cível pedindo  investigação no sentido de descobrir a autoria da pichação, aplaudimos de pé.

Carlos Lima

OUTRAS NOTÍCIAS