Comissão investiga médico do Samu

Share on whatsapp
Share on twitter
Share on facebook
Share on google
Share on linkedin
Share on email

Uma comissão de sindicância instaurada pela Secretaria de Saúde vai investigar os motivos que levaram o médico regulador do Serviço de Atendimento Médico de Urgência (Samu) a não determinar a saída da base de uma ambulância para atender ao borracheiro Renildo Ferreira Brito, 49, na manhã desta quinta-feira, 31. 

Reinaldo Ferreira, que morava no conjunto Viveiros, foi encontrado por populares caído e desacordado na rua Macário Cerqueira. Ele morreu no local. A comissão é formada por Alan Brito de Lima, Maria José Ferreira e Evany Cerqueira Santos.

A coordenadora do Samu, Maíza Macedo, não fixou prazo para a conclusão do processo administrativo interno, mas afirmou que as investigações não vão demorar. “Os resultados serão conhecidos depois de todos os atores sociais envolvidos serem ouvidos”, disse ela à tarde, em entrevista coletiva.

Revelou que já teve uma conversa com o médico regulador. Mas não adiantou nenhum teor da versão do profissional que atendeu a ligação. Afirmou que todas as demandas que chegam ao órgão são investigadas e os resultados conhecidos.

O médico regulador trabalha e toma decisões tendo como base informações de terceiros. O problema é que nem sempre os contatos telefônicos têm a clareza que a situação exige. Se encaminha uma ambulância de atendimento básico, com técnico de enfermagem, ou avançado, com médico e enfermeiro.

“A gente trabalha na perspectiva de chegar rápido ao local onde atendimento será prestado”, disse Maíza Macedo. De acordo com ela, as conversas telefônicas entre a base e a pessoa que solicita o serviço são transcritas.

Ela argumenta que nem toda ligação para o Samu, que atende com base nestes contatos, significa que a ambulância vai deixar a base. “Às vezes a pessoa precisa apenas de uma orientação”.

 

Fonte: Secom

OUTRAS NOTÍCIAS