Conselho encaminhará ao prefeito valor R$ 3,10 para nova tarifa no coletivo urbano

Share on whatsapp
Share on twitter
Share on facebook
Share on google
Share on linkedin
Share on email
Os novos ônibus

Conselho Municipal de Transporte definiu os  valores das passagens do transporte coletivo regular de Feira de Santana, os quais serão encaminhados ao prefeito José Ronaldo de Carvalho para homologação.

Atualmente a tarifa é R$ 2,70, o aumento na zona urbana será de CR$ 0,40 (Quarenta centavos), passando a custar CR$ 3,10, percentualmente pode-se afirmara que o aumento foi de 14,81%.

Após homologação pelo prefeito, deverá também ser anunciado o dia em que terá início a cobrança da tarifa.

Não foi esclarecido o aumento da tarifa para a zona rural, que abrange todos dos distritos do município.

A reunião que definiu o valor das tarifas foi de portas fechadas, fora dos conselheiros apenas a presença de dois estudantes, representando o movimento estudantil e da imprensa. Foi uma reunião tranquila, sem nenhum incidente.

A proposta da tarifa em R$ 3,10, foi do presidente da Associação Comercial e Empresarial de Feira de Santana, Marcelo Alexandrino.

O advogado das empresas, Carlos Daniel, que a definição dessa tarifa não era o que esperavam as empresas.

Na verdade, “o valor de R$ 3,20 estava previsto no edital de concorrência pública. Quando as empresas vieram para Feira de Santana se comprometendo a fazer os investimentos, estavam levando em conta que teriam a remuneração prevista no edital”, disse.

Afirmou que o impacto dessa redução, só será identificado depois de alguns meses de operacionalidade do sistema.

O secretário municipal de Planejamento, Carlos Brito, não concordou com a posição do advogado e relatou:

“O preço de R$ 3,10 remunera o sistema. Até 2015 existia um carregamento médio de um milhão e setecentos mil passageiros. Quando fizemos a tarifa, que foi licitada para R$ 2,85, nós fizemos uma projeção para um carregamento de dois milhões, quatrocentos e cinquenta mil passageiros por mês e essa foi à remuneração que prevíamos”.

O secretário municipal de Transportes e Trânsito, Pedro Boaventura, avaliou que a definição da nova tarifa foi uma demonstração de bom senso de todas as pessoas envolvidas nesse processo. Ele lembrou que os índices não são criados pela prefeitura. São índices oficiais e que seguem alguns critérios.

Sabemos que existe uma planilha, que existe critérios, mais quais serão esses critérios, como Alexandrino chegou à conclusão técnica de R$3,10, qual o estudo apresentado para se chegar a esse preço?

Qual o estudo feito pela prefeitura que colocou no edital de concorrência um valor de R$3,20?

O que argumentou o secretário é previsão, é uma hipótese e não uma formulação técnica. Pergunta-se, como ficou o preço da tarifa na zona rural?

cljornal

OUTRAS NOTÍCIAS