Empresários se queixam de perseguição de bióloga da Vigilância Sanitária

Share on whatsapp
Share on twitter
Share on facebook
Share on google
Share on linkedin
Share on email

Diversos empresários, no ramo de alimentos, em Feira de Santana, denunciam que a Vigilância Sanitária, através de uma bióloga, vem criando inúmeras dificuldades no momento de renovar o ‘Alvará de Funcionamento’. Inclusive fazendo exigências que são proibidas pelo Ministério do Trabalho.

Em determinada empresa chegou a confundir o quadro de força com esgotamento sanitário. Uma empresa com mais de 190 funcionários quase que fecha as portas pelas exigências da bióloga e o atraso de mais de 6 meses para renovar o ‘Alvará’.

O setor de fiscalização da Vigilância Sanitária comete erros e deixa dúvidas quanto à lisura da sua atuação. O interesse maior, segundo suas ações, é na arrecadação, fato comprovado pela ação de fiscalizar as grandes empresas e deixar ambientes que ferem frontalmente seus códigos e normas na comercialização de alimentos em Feira de Santana.

Um empresário relatou um fato a nossa reportagem que o deixou perplexo. A bióloga esteve em sua empresa para fazer uma fiscalização e autorizar a renovação do Alvará de Funcionamento. Fizeram várias exigências, algumas delas sem nenhum sentido, mesmo assim ele atendeu a todas, gastou mais de 180 mil reais.

A bióloga retornou para ver se a empresa teria cumprido. Tudo estava feito, mesmo assim ela fez novas exigências e, em determinado momento disse: “É vocês tem padrinhos poderosos, mas no meu trabalho quem manda ‘sou eu’, aqui o prefeito não manda em nada.”

O empresário ficou sem entender o porquê dela dizer aquilo. Ninguém procurou o prefeito ou qualquer outra pessoa na prefeitura, tudo o que ela pediu foi feito.

Demonstrando uma clara perseguição ela fez novas exigências, entre elas, uma que é expressamente proibida pelo Mistério do Trabalho e pela Segurança do Trabalha, que é colocar piso liso no interior dos galpões, onde a obrigatoriedade é trabalhar com piso antiderrapante e reforçado, por causa do constante uso de máquinas empilhadeiras.

Outros empresários que se sentem prejudicados fizeram relatos de exigências absurdas e situações que comprovam a falta de especialização da profissional para esse tipo de fiscalização. 

Fiscalizar não é inviabilizar o funcionamento das empresas, é corrigir o seu funcionamento, estipular prazos para essa correção, as empresas não são inimigas do município, muito pelo contrário. Os profissionais que trabalham no setor de fiscalização não devem ser exterminadores, a Vigilância Sanitária em Feira de Santana deve rever sua forma de atuação.   

Fonte: Carlos Lima

OUTRAS NOTÍCIAS