Feira Tênis Clube: Arrematadores do leilão se articulam para posse do imóvel

Share on whatsapp
Share on twitter
Share on facebook
Share on google
Share on linkedin
Share on email

Arrematado há três anos por R$ 1,6 milhão em leilão promovido pelo Tribunal Regional do Trabalho da 5ª Região (TRT5), o Feira Tênis Clube pode ser entregue aos empresários que arremataram o lote a qualquer momento. Os compradores – três jovens de Salvador – surpreenderam o presidente interino do FTC, Rosalvo Costa, nesta quarta-feira (11), ao apresentarem decisão judicial favorável à posse.

 

O caso, no entanto, apresenta controvérsias, já que continua em vigor o decreto de utilidade pública, para fins de desapropriação em regime de urgência, que foi publicado em 14 de abril de 2009, um ano antes do leilão, pelo prefeito Tarcízio Pimenta. A medida vale pelo prazo de cinco anos e, por isso, os arrematadores podem não permanecer com o patrimônio, visto que ele ainda pode ser desapropriado pelo Município, mediante pagamento.

 

Em entrevista ao programa Jornal da Povo desta quinta-feira (12), Rosalvo Costa, demonstrou seu descontentamento com a situação. “Foi uma surpresa desagradável receber os três empresários, que me apresentaram a documentação emitida pela Justiça Federal. Como havia o decreto de utilidade pública, não nos preocupamos com o leilão inconsequente e atualmente estamos fazendo vários investimentos no FTC. Conforme os documentos, temos o prazo de 15 dias para entregar o imóvel”, ressaltou.

 

Segundo ele, uma reunião entre o advogado Alexandre Brandão e membros do conselho, prevista para as 15 horas desta quinta-feira (11), deverá definir as medidas que serão adotadas para reaver a situação. “Ainda não procuramos o prefeito José Ronaldo para tratarmos sobre o assunto, mas faremos este contato com ele e também com o procurador geral do Município, Carlos Lucena, logo após a reunião. Esperamos contar com o apoio da Prefeitura”, declarou.

 

Na época do leilão – abril de 2010, o imóvel estava avaliado em R$ 4,5 milhões. Para desapropriar, a Prefeitura certamente terá que desembolsar no mínimo o valor que foi pago no certame. O montante pode representar mais dinheiro do que a Prefeitura investiu com recursos próprios em qualquer obra pública, nas últimas décadas.

 

Construída numa área de 3.350 m², a sede do FTC possui varandas, salão de festas, salão de recepção, bar, palco, casa de máquinas, ginásio de esportes, sanitários, vestiários, além de outros departamentos.

 

Fonte: Redação

OUTRAS NOTÍCIAS