Infectologista afirma uma pandemia mundial de zika

Share on whatsapp
Share on twitter
Share on facebook
Share on google
Share on linkedin
Share on email
Pandemia mundial da Zica

O mundo está em progressão para uma pandemia de zika vírus.

A afirmação é da infectologista Maria da Glória Lima Cruz Teixeira (do Instituto de Saúde Coletiva/UFBA), uma das palestrantes de um seminário realizado pela Secretaria de Saúde de Feira de Santana, na manhã desta sexta-feira, 4, no Auditório Dr. João Batista de Cerqueira, para profissionais da rede municipal e estudantes da área de saúde.

Ela falou sobre o tema “Epidemiologia do vírus zika no brasil e no mundo, desafios e perspectivas”.

Ela disse que Feira de Santana contribuiu muito em busca do conhecimento sobre o que ela definiu de “tríplice epidemia” – dengue, chikungunya e vírus zika.

Mas ela considera as doenças de difícil controle.

O combate à reprodução do aedes consiste em treinamento para avaliar os pacientes e a comunidade ter consciência da importância do trabalho de prevenção. Para ela, o epicentro da doença, em termos mundiais, é o Brasil, e no país, o nordeste.

Maria da Glória Lima Cruz Teixeira ainda afirmou que a zika é a hipótese mais robusta sobre a epidemia de microcefalia e que ainda não são conhecidas todas as formas de transmissão da doença.

Outro ponto abordado pela médica é a dificuldade de diagnosticá-la por meio de exame de sangue, porque “o vírus passa muito rapidamente pelo sangue.

Ela fez um relato sobre a evolução da doença no mundo e que possivelmente os primeiros casos da doença no país apareceram em Pernambuco, em 2014, em na Bahia, em Ilhéus.

Ela ainda afirmou que todos os esforços para combater o mosquito se mostra insuficientes.

“Reduz a infestação mas não elimina a infestação viral”. Orientou, também, que as mulheres que desejam engravidar devem adiar um pouco mais esta realização. “O momento não é encorajador ou adequado para engravidar”.

A secretária de Saúde, Denise Mascarenhas, afirmou que o município não se eximiu das suas responsabilidades no combate às doenças transmitidas pelo aedes aegypti.

“Este combate é feito diariamente, tanto na eliminação do inseto, das larvas e na orientação das pessoas”. Para ela, os moradores de Feira devem participar ainda mais ativamente destas batalhas diárias.

A outra palestrante, a infectopediatra, Normeide Pedreira, da Secretaria Municipal de Saúde/UEFS, abordou o tema “Síndrome congênita pelo vírus zika e atenção à criança”.

Falou sobre formas de transmissão das doenças da mãe para o filho, entre elas a intrauterina e durante o parto.

Com relação à epidemia, afirmou que as autoridades do setor não sabem a quantidade de pessoas contaminadas com o vírus da zika.

Secom

OUTRAS NOTÍCIAS