Mais uma denúncia no Ministério Público contra o governo de Colbert Filho.

Share on whatsapp
Share on twitter
Share on facebook
Share on google
Share on linkedin
Share on email
Deputado Robinson Almeida vai MP contra Colbert

Na sexta-feira (16) o deputado Robinson Almeida protocolou denúncia no MP sobre irregularidades na contratação da empresa Confiança Serviços e Soluções em Mão de Obra Eireli, com sede em Salvador, para o fornecimento de trabalhadores na Secretaria Municipal de Educação de Feira de Santana.

O deputado estadual acusa o gestor de praticar improbidade administrativa, violando os princípios da honestidade, imparcialidade, legalidade e economicidade.

A denúncia relata que o contrato, no valor de quase R$ 6 milhões, foi assinado na mesma semana em que o prefeito ‘estado de calamidade pública e paralisação das atividades educacionais presenciais, tendo como motivação a pandemia do Coronavírus.

Robinson Almeida aponta desvio de finalidade na contratação, além do custo e suspensão das aulas presenciais na rede escolar do município.

O fato gera suspeição para um provável superfaturamento e a manipulação da contratação dos trabalhadores e dos valores a serem pagos pela empresa aos contratados.

A empresa Eireli recebe da prefeitura por cada trabalhador R$ 3.356,00 e paga a cada um deles apenas R$ 1.045,00.

Estabelecendo o valor de dois mil, trezentos e nove reais a menos do que o valor estabelecido no contrato assinado com a gestão do prefeito Colbert Martins Filho (MDB).

À denúncia questiona esse repasse e solicita que MP investigue a contratação realizada em ano eleitoral e os supostos atos de corrupção.

Outro fato sobre suspeição é que o órgão gerenciador do ato de registro de preços n° 003/2020 do Pregão Eletrônico n° 026/2019SRP/PMNSS é a Secretaria de Administração do Município de Nossa Senhora do Socorro, no Estado de Sergipe, a 309 quilômetros de distância de Feira.

Entre as qualificações da mão de obra listada como contratada estão auxiliar de serviços administrativos, auxiliar de logística, ajudante prático, assistente de atendimento e supervisor, totalizando 330 pessoas ao custo total de R$ 5 milhões e 895 mil reais.

O deputado pede a nulidade do contrato e responsabilização da gestão Colbert pelos danos eventuais ao erário.

“As suspeitas são inúmeras e indicam o cometimento de improbidade administrativa; má gestão dos recursos públicos; e a inexistência dos princípios básicos da boa prática de governança pela administração de Colbert Martins”. Disse Robinson Almeida.

Lembrou também que Colbert ainda é réu em ação do Ministério Público Estadual pela falta de transparência nos gastos com a pandemia e o não cumprimento das exigências da Lei de Responsabilidade Fiscal.

cljornal

OUTRAS NOTÍCIAS