Tempo - Tutiempo.net

O requerimento do vereador Silvio Dias (PT) mais um a ser jogado no lixo, será defesa das nomeações? Por Carlos Lima

Vereador Silvio Dias (PT)

O poder Legislativo feirense comandado por José Ronaldo e Colbert  Filho, ao longo de 20 anos, que sempre rejeita os requerimentos dos vereadores oposição, demonstra que a subserviência continua. Salvo raríssimas exceções.

A pequena oposição existente na Casa apresenta altos e baixos, inclusive um dos eleitos pela oposição, já declarou que o seu mandato precisa de “Substância” para sobreviver.

A dica foi objetiva, não poderia ser mais direta.

Na oposição um nome honra os votos recebidos até o presente momento. O vereador Jhonatas Monteiro (PSOL). Outro que pretende se profissionalizar politicamente é Silvio Dias (PT).

Apresentou um importante requerimento que deve ser votado na sessão de segunda-feira (8).

A proposição legislativa foi endereçada ao Secretário municipal de Saúde e ao prefeito Colbert Filho (MDB).

As informações solicitadas são pertinentes e a muito tempo questionadas por significativa parcela da população feirense.

Inicialmente o edil solicita informações sobre o valor orçamentário destinado ás ações de enfrentamento do coronavírus no município.

Agrega nas solicitações pedido de informações sobre os valores repassados pelo Governo Federal e Ministério da Saúde, para as ações de gestão da pandemia no município feirense.

Pede também o valor dos recurso, que já chegaram ou estão previstos, oriundos de emendas parlamentares.

O vereador ainda solicita informações completas sobre quantos testes rápidos de detecção do vírus foram adquiridos pela Prefeitura, quais os critérios de distribuição nas unidades de saúde e os números referentes a aplicação efetuada, além do valor investidos na aquisição de máscaras de proteção facial e quantidade.

São informações que o gestor deveria estar informando à população trimestralmente, e não fez ou faz. Aceita ser questionado pela sociedade, que gera suspeitas e dúvidas na aplicação dos recursos, inclusive diante da falta de ação estratégica da prefeitura no combate à Pandemia.

Ainda sobre a vacinação, o edil pede informações sobre a equipe de servidores designados para fiscalizar da aplicação das doses no município; os casos de “fura-fila” registrados e o tipo qual punição que é prevista pela Secretaria de Saúde. ´

E questiona sobre os motivos de divergência de dados referentes a imunização entre o Município e a Secretaria Estadual de Saúde conforme consta em seus portais.

O prefeito nunca teve interesse em demonstrar transparência na sua administração, é 99% de certeza de que na segunda-feira o requerimento será rejeitado ou não entrará na pauta de votação.

O prefeito tem certeza da impunidade. No início da semana em reunião com servidores que foram demitidos, afirmou que seus cargos eram políticos e que passado as eleições poderiam perder as vagas se não fossem indicados pelos que se elegeram e estiveram com ele na campanha.

Alguns dos demitidos disseram que ele havia assegurado seus empregos caso ganhasse a eleição e não foi o que aconteceu. Ele disse que não podia fazer nada. A vaga era política e todos sabiam disso.

Se não me falha a memória, essa é a primeira vez que um político com cargo eletivo na área Execitiva, admite em reunião com mais de setenta pessoas que negocia os cargos da prefeitura com políticos eleitos e financiadores de campanha.

Esse é um procedimento ilegal, imoral, corrupto e desqualificado administrativamente.

Colbert afirmou publicamente que negociou voto por cargos na prefeitura e o acesso ao trabalho público não é por concurso ou necessariamente por competência. É indicação política.

A justiça eleitoral, ou outro segmento do poder judiciário do país vai se manifestar, ou não?

Carlos Lima.

Share on whatsapp
Share on twitter
Share on facebook
Share on google
Share on linkedin
Share on email

OUTRAS NOTÍCIAS