Tempo - Tutiempo.net

Por mais de cem anos, aniversário de Feira foi comemorado em data equivocada.

Avenida Getúlio Vargas

Durante mais de cem anos o aniversário de Feira de Santana foi comemorado no dia 16 de junho.

Em relação ao 16 de julho alguns historiadores questionavam a data e já argumentavam para o 18 de setembro.

O padre e historiador padre Monsenhor Galvão afirmava que a data de emancipação de Feira de Santana estava errada.

Várias discussões foram realizadas na Câmara Municipal, inclusive com a participação de Monsenhor Renato Galvão e outros pesquisadores.

O vereador Ildes Ferreira abraçou a causa e apresentou um projeto de Lei fazendo o reconhecimento da verdadeira data de emancipação política de Feira de Santana.

Em tramitação e votação a Câmara não teve dificuldade nenhuma em aprovar.

A emancipação

Disputa política marca emancipação de Feira, conta o historiador professor Carlos Melo.

A emancipação política e administrativa de Feira de Santana, datada de 18 de setembro de 1833, foi marcada por uma acirrada disputa política com o distrito de São José das Itapororocas, atual Maria Quitéria.

À época, Feira e São José eram distritos do município de Cachoeira.

Políticos das duas localidades buscavam independência, mas divergiam quando o assunto era o local para ser a sede administrativa do município que seria criado.

Feira de Santana tinha Macário Cerqueira como uma das principais lideranças políticas. Feira se desenvolveu mais rapidamente que São José da Itapororocas, tornando-se o centro administrativo da nova cidade.

Esse fato ocorreu porque Feira estava localizada estava situada no principal entroncamento da região.

Inconformado pela decisão de São José ser distrito de Feira de Santana, outra liderança política, Quintiliano Martins da Silva, chegou a colocar uma grade pedra em frente à sua fazenda para demarcar a divisão territorial entre as duas localidades. Daí o nome do atual bairro Pedra Ferrada, onde era localizada a fazenda.

A heroína Maria Quitéria

O então distrito de São José das Itapororocas tem a sua importância na história de Feira de Santana não só pela articulação política no processo de emancipação de Cachoeira.

A localidade leva o nome da sua filha ilustre, Maria Quitéria, uma das figuras de destaque na luta contra o domínio português na Bahia.

cljornal (pesquisa)

Share on whatsapp
Share on twitter
Share on facebook
Share on google
Share on linkedin
Share on email

OUTRAS NOTÍCIAS