Tempo - Tutiempo.net

Secretário Carlos Brito diz que nova investida contra o BRT não tem amparo legal

Secretário Carlos Brito

Respondendo as declarações da arquiteta e urbanista Maria de Fátima, o secretário Planejamento de Feira de Santana, Carlos Brito, argumentou que as posições adotadas pela profissional não se justificam e não encontram amparo legal para inviabilizar o projeto.

Diz ainda que outras cidades no país que aderiram ao projeto de mobilidade nacional apresentam extensões menores do que 6 km.

Um projeto desse porte não pode ser realizado de uma única vez para toda a cidade, os custos são astronômicos e devem ser construídos por etapas.

O secretário Brito deu alguns exemplos: Projeto “Alberto Craveiro, em Fortaleza, tem apenas 3 km, Belo Horizonte tem um corredor na área central de 1,5 km, a praia de Belas, em Porto Alegre, 5,5 Km, na cidade baixa, também em Porto Alegre, 3,2 km. Todos esses têm menos de 6 km de extensão. Então a colocação de que o BRT só se justifica se tiver grandes extensões não se sustenta”, disse ele.

Analisando a situação no município, Brito afirmou que 13% da população feirense usa ônibus, mas existe uma demanda reprimida de 36%, por causa da qualidade do serviço que é prestado atualmente.

Na entrevista da arquiteta, ela afirmou que a Avenida Getúlio Vargas não possui engarrafamentos que possa justificar a implantação do BRT e que o desenho do projeto foi mal elaborado.

Um grande equivoco, reconhecível e justificável para quem não mora em Feira de Santana e não conhece o seu dia a dia.

Dizer que: “Isso acarreta na retirada de árvores para passar a pista de ônibus, cujo volume de veículos é pequeno”. outro equívoco.

A retirada de árvores é insignificante diante da extensão da Avenida e da área por onde a linha do BRT será implantada.

O secretário ainda afirmou que: “A Getúlio Vargas absorve a comunidade do SIM, via Corredor dos Araçás, FTC, Santo Antônio dos Prazeres, Jaíba, Aeroporto, que vão para a estação de integração e descem a Getúlio Vargas. A Getúlio se tornará um corredor exclusivo e será urbanizada. A cidade cresce hoje em todas as direções.”

Outras declarações de políticos afirmando que o Ministério das Cidades vai fazer gestão junto a Caixa Econômica para suspender o financiamento alegando que o projeto apresentado foi um e o financiado foi outro, também não encontrará amparo legal. Pelas informações colhidas por repórteres do cljornal, esse argumento não se sustenta, CEF não poderá simplesmente suspender o financiamento.

Se existiu alguma modificação, foi técnica, não houve alteração de valores para mais ou para menos, o que pode ter ocorrido foram correções estruturais de melhoramento do projeto.

Além do mais, a obra do BRT é um projeto municipal, atendendo um chamamento do governo federal para se criar maior mobilidade urbana em todo o país. Os recursos aplicados serão pagos pelo próprio município. Essas informações são de conhecimento público.

cljornal

Share on whatsapp
Share on twitter
Share on facebook
Share on google
Share on linkedin
Share on email

OUTRAS NOTÍCIAS