Bancários rejeitam aumento de 7,1% e decidem manter greve

Share on whatsapp
Share on twitter
Share on facebook
Share on google
Share on linkedin
Share on email

Os bancários de todo o País rejeitaram a nova proposta apresentada pela Fenaban (sindicato patronal) nesta sexta-feira (4), de reajuste salarial de 7,1%, ou seja, aproximadamente 1% de aumento real, afirmou Carlos Cordeiro, presidente da Contraf-CUT (confederação nacional dos bancários).

 

A oferta foi feita nesta sexta, à tarde, aos representantes da categoria, em reunião marcada pela própria Fenaban um dia após os representantes do comércio pressionarem a federação a entrar em acordo com a categoria. Segundo a CNDL (confederação dos lojistas), o setor pode registrar perdas de até 30% se a greve se prolongar até o quinto dia útil do mês.

 

Foi a primeira oferta desde o início da greve, no dia 19 de setembro. A paralisação completou nesta sexta 16 dias. Após reunião das lideranças sindicais, para discutir a oferta, foi decidido pela rejeição. “Estamos rejeitando essa proposta pois ela não contempla os principais itens da categoria, não só os econômicos, mas também os sociais”, diz Cordeiro.

 

A categoria pede 11,93% de correção (5% de aumento real). A greve dos bancários deixou nesta sexta mais da metade das agências do País fechadas, segundo a Contraf-CUT. Na Bahia, já são 836 unidades paradas.

Fonte: Redação/ A Tarde e Agências

OUTRAS NOTÍCIAS