Tempo - Tutiempo.net

China e Índia não aprovam resolução da ONU que condena a Rússia por guerra

Assembleia Geral da ONU

A Assembleia-Geral da ONU aprovou nesta quarta-feira (2) uma resolução que condena a Rússia pela guerra contra a Ucrânia. Foram 141 votos a favor, 35 abstenções e cinco contrários.

A reunião aconteceu sob pressão dos EUA e dos países membros da OTAN e foi realizada de forma emergencial devido à guerra. Para aprovação da medida eram necessários 128 votos entre os 193 países que compõem o colegiado.

O Brasil votou a favor da proposta. Durante a reunião, o embaixador brasileiro na ONU, Ronaldo Costa Filho, pediu “engajamento” de “todos os atores” para um acordo diplomático.

“A paz exige a retirada de tropas e um trabalho amplo das partes. A resolução não pode ser entendida como algo que permita a aplicação indiscriminada de sanções”, disse.

Entre os países que se abstiveram se destaca a China, que mantém uma relação próxima com a Rússia.

“A China tenta manter uma posição neutra que reflita a fórmula ‘nem sempre juntos, mas nunca um contra o outro’.

Mas, na prática, manter o equilíbrio em um conflito tão sério entre a Rússia e o Ocidente não pode ser considerada uma tarefa fácil”, afirmou Anna Kireeva, professora de Estudos Orientais e pesquisadora do Centro de Estudos Chineses Integrados e de Relações Internacionais.

Aliados russos na América Latina, Cuba e Nicarágua também se abstiveram, enquanto a Venezuela não votou. A Índia e o Paquistão, duas potências nucleares, também preferiram a abstenção, assim como a África do Sul, outra integrante dos BRICs.

Do ponto de vista do tamanho da população que representam, a Rússia não parece tão isolada. Somados, China, Índia, Rússia, Paquistão, Irã, Bangladesh, Vietnã e África do Sul possuem 3,5 bilhões de habitantes — quase a metade da população global.

O professor de geopolítica Ronaldo Carmona ressalta que não é correto dizer que a Rússia está isolada da comunidade internacional.

“Ela está isolada em relação à Otan, G7 [grupo dos países mais industrializados do mundo]. Mas Vladimir Putin esteve em Pequim, na abertura do Jogos de Inverno, e assinou declaração com a China que estabeleceu aliança tática”, ressaltou o professor.

Na avaliação do professor, a guerra está perto do fim ‘do ponto de vista militar’.

“A gente pode dizer que há uma batalha em três frentes principais: militar, diplomática e econômica. Me parece que a nova rodada de negociação de hoje é só mais uma etapa, mas não devem chegar a um termo, porque o impasse do campo militar continua, embora caminhe para solução bastante rápida por causa das conquistas russas do ponto de vista militar”, diz.

RPP

Share on whatsapp
Share on twitter
Share on facebook
Share on google
Share on linkedin
Share on email

OUTRAS NOTÍCIAS