Cientistas investigam possível morte causada por meteorito no sul da Índia

Meteorito cai e mata uma pessoa na Índia

Cientistas indianos estão a investigar se um homem foi morto por um meteorito, o que, se for confirmado, significará a primeira morte causada por fragmentos de uma rocha espacial em quase 200 anos.

A ministra-chefe do Estado de Tamil Nadu, Jayalalithaa Jayaram, afirmou que um motorista de autocarro de uma universidade daquele Estado foi morto por um meteorito e que 100 mil rúpias (cerca de 1.316 euros) foram pagas à sua família como indmenização.

«Um meteorito caiu dentro dos limites da universidade», disse Jayalalithaa. O homem «sofreu ferimentos sérios e morreu a caminho do hospital».

Ex-estrela de cinema, Jayalalithaa deixou as autoridades locais em apuros para explicarem a queda misteriosa na faculdade de engenharia, que criou uma pequena cratera e estilhaçou janelas.

O motorista estava num relvado próximo do refeitório quando foi atingido, e dois jardineiros e um estudante ficaram feridos, disseram autoridades. Uma pedra azul-escura semelhante a um diamante foi encontrada no local.

De início, autoridades do governo acreditaram que a explosão tinha sido causada por explosivos abandonados por engano após a conclusão de uma construção.

No entanto, as investigações não descobriram indícios de material explosivo no local em questão.

«Quando não se encontrou indício de material explosivo, fomos para a teoria de que pode ter sido um meteorito», declarou um funcionário distrital que não quis revelar o nome. «Ainda não está confirmado, já que as amostras têm de ser analisadas».

Uma equipa do Instituto Indiano de Astrofísica deve visitar o campus na terça-feira para recolher amostras.
O director da universidade situada no distrito de Vellore, G. Baskar, declarou estar a trabalhar no resepctivo gabinete quando ouviu a explosão.

«Foi um som como nenhum outro que ouvi antes», contou. «Não havia qualquer cheiro, nem fogo, nada», disse.

A última morte registada resultante de uma queda de meteorito ocorreu em 1825, de acordo com uma lista do periódico International Comet Quarterly.

O especialista em astrofísica da Universidade de Sheffield, na Grã-Bretanha, Simon Goodwin disse que as mortes por meteorito são raras porque normalmente as rochas se incineram ao passar pela atmosfera terrestre, ou caem no oceano e em áreas remotas.

«Quando se olha para a fração da superfície da Terra que é altamente povoada, não é muita coisa», afirmou.

Em 2013, um meteorito explodiu perto do centro da Rússia, causando uma chuva de bolas de fogo ao longo de uma área vasta e causando uma onda de choque que destruiu vidros, danificou edifícios e feriu 1.200 pessoas.

DD/Reuters

Share on whatsapp
Share on twitter
Share on facebook
Share on google
Share on linkedin
Share on email

OUTRAS NOTÍCIAS