Tempo - Tutiempo.net

Confusões e brigas cacifam nova onda de candidaturas bolsonaristas

Maurício Souza e Nise Yamaguchi são alguns exemplos de pré-candidatos que se cacifaram após controvérsias

A eleição de outubro contará com novos rostos bolsonaristas nas urnas, muitos deles que ganharam notoriedade após protagonizarem polêmicas que respingaram no presidente Jair Bolsonaro.

Nomes marcados por controvérsias envolvendo desde a defesa da cloroquina até acusações de homofobia conquistaram sustentação junto à base de apoio do presidente e se cacifaram para disputar vagas no Legislativo por partidos como PTB, PL e PROS.

Especialistas avaliam que a internet, a fidelidade a Bolsonaro e a narrativa antissistema foram fatores decisivos para esse fenômeno.

Para compor a “bancada da treta” estão cotados nomes como o de Fabrício Queiroz (PTB-RJ), pré-candidato a deputado estadual e que esteve no centro do escândalo das “rachadinhas”, e Tércio Arnaud Tomaz (PL-PB), que chegou a ser apontado como líder do “gabinete do ódio”, núcleo instalado no Palácio do Planalto que se dedicava a atacar adversários nas redes sociais.

Assessor especial da Presidência, Tércio vai concorrer como suplente do candidato ao Senado Bruno Roberto (PL), pela Paraíba, e já ganhou inclusive um vídeo de apoio do próprio Bolsonaro.

Nise Yamaguchi (PROS), médica que foi intimada a depor na CPI da Covid por defender o chamado “tratamento precoce” com cloroquina, comprovadamente ineficaz para casos da doença, já anunciou sua intenção de disputar o Senado por São Paulo.

Já a advogada Paola Daniel (PTB-RJ), mulher do deputado federal Daniel Silveira, despontou como pré-candidata a deputada federal após o marido ser condenado pelo Supremo Tribunal Federal (STF) por ataques à democracia.

Embora Bolsonaro tenha concedido um indulto a Silveira, há questionamentos jurídicos sobre sua elegibilidade.

Segundo o professor do Departamento de Estudos de Mídia da Universidade da Virgínia, nos EUA, David Nemer, uma característica que une os novos candidatos é a fidelidade a Bolsonaro e à agenda conservadora.

Ele explica que as polêmicas e a ideia de “nós contra eles” alimentadas por esses candidatos acaba atraindo holofotes para eles.

“Esses personagens precisam dessas polêmicas para manterem a atenção da base fiel bolsonarista e poderem capitalizar.

Toda opinião polêmica nas redes sociais vai ter um tipo de engajamento muito maior e é nessa atenção que eles ganham, seja para depois pleitear um cargo. Independente do que a opinião ou os críticos vão falar, o que importa é o que a base vai pensar” explicou Nemer.

Outros nomes que fortaleceram suas candidaturas respaldados por polêmicas são o ex-jogador de vôlei Maurício Souza (PL), acusado de homofobia após posts na internet; a atriz e apresentadora Antônia Fontenelle (Republicanos), que entrou numa disputa judicial com Felipe Neto por associar o youtuber à pedofilia; e Thiago Gagliasso (PL), que se afastou do irmão, o ator Bruno Gagliasso, e expôs uma discussão com a cunhada, a atriz Giovanna Ewbank, por desavenças políticas.

Popularidade não é voto
Para o analista político e professor da FGV, Sérgio Praça, a popularidade desses personagens não indica necessariamente uma boa votação.

Para ele, como o eleitor deixa para decidir o voto para o Legislativo próximo ao dia da eleição, artifícios como a divulgação da candidatura por grupos de WhatsApp acabam sendo mais eficazes para uma boa votação do que apenas a visibilidade gerada pelas polêmicas.

“Enxergo que alguns têm chances reais de se eleger, mas a maioria está superestimando a popularidade que ganharam com as polêmicas.

Eleição é muito mais difícil do que candidatos amadores pensam. De qualquer forma, eles não perdem nada tentando a candidatura, muitos já sofreram danos reputacionais, então uma derrota nas urnas não geraria um prejuízo maior” avalia Praça.

A pesquisadora Michele Prado, autora do livro “Tempestade Ideológica —Bolsonarismo: A Alt-right e o populismo i-liberal no Brasil”, destaca também o papel da oposição ao bolsonarismo na criação e popularização desses personagens.

“A oposição não compreendeu que não se deve oxigenar esses agentes extremistas. O que eles querem é exatamente isso, tanto que usam muito o artifício do “trolling”, que é você ser deliberadamente ofensivo para captar a atenção e conseguir viralizar e pautar o debate público” diz.

Um ponto de consenso entre os pesquisadores é a importância da internet para a popularização dos novos nomes bolsonaristas.

Para o historiador, escritor e professor de literatura comparada da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (Uerj), João Cezar de Castro Rocha, o ruído causado pelas polêmicas acaba chamando mais atenção do que propriamente suas ações.

Este fenômeno, chamado de “economia da atenção”, impactou também o debate político e eleitoral, de acordo com o pesquisador.

“Como a oferta no universo digital é muito maior do que qualquer pessoa pode assimilar, a comunicação para ser audível precisa ter uma linguagem violenta, uma ação chocante, um gesto que chame a atenção.

Em uma sociedade dominada pela economia da atenção, que define hoje as redes sociais, essas pessoas se tornam importantes não pelo que fizeram, mas pela atenção que conquistaram” explica.

RCL

Share on whatsapp
Share on twitter
Share on facebook
Share on google
Share on linkedin
Share on email

OUTRAS NOTÍCIAS