Declaração sobre banho e covid gera incômodo no Planalto

Share on whatsapp
Share on twitter
Share on facebook
Share on google
Share on linkedin
Share on email
Governo fica incomodado com declaração de Russomanno

Candidatos à Prefeitura de São Paulo criticaram ontem a declaração de Celso Russomanno (Republicanos) segundo a qual moradores de rua seriam mais resistentes à covid-19 por não tomarem banho todos os dias. Além de provocar reação de adversários, a fala do deputado também gerou incômodo no Palácio do Planalto.

Segundo assessores do presidente Jair Bolsonaro envolvidos com a campanha em São Paulo, a ordem é para que o candidato do Republicanos apareça o mínimo possível e evite manifestações que possam causar desgaste.

“Infelizmente, um outro candidato está tratando a população de rua como se fosse uma classe diferente de ser humano”, disse o prefeito Bruno Covas (PSDB), que busca a reeleição. “Condeno a fala por ser preconceituosa”, disse.

Ainda segundo Covas, a fala de seu adversário não tem nenhum embasamento científico que demonstre a relação entre tomar banho e o novo coronavírus.

Candidato do PSOL, Guilherme Boulos disse que ficou “enojado”.

“Acho que foi a pior declaração desta campanha até aqui. Entendi como um escárnio, uma piada. É brincar com o sofrimento das pessoas. Coisa de quem não tem humanidade”, afirmou.”

Márcio França (PSB) classificou a declaração como “péssima”. “As pessoas mais vulneráveis à covid são exatamente as que têm menos condições e recursos de acesso à saúde e higiene.”

Gilmar Tatto (PT) se manifestou pelas redes sociais, lembrando o mote de campanha de Russomanno. “Quem fala grosso com trabalhador e despreza pessoas em situação de rua não pode dizer que defende o povo”, escreveu o candidato petista.

Ontem, Russomanno reafirmou que moradores de rua e da Cracolândia têm “imunidade” à covid-19.

“Estava fazendo uma consideração de que a ciência tem que explicar por que eles (moradores de rua) são imunes. Eles têm mais resistência que a gente. O que eu disse é que se alardeava que os moradores e rua seriam dizimados pela covid-19. E não foi o que aconteceu”, declarou ele na saída de um almoço com empresários. Mais cedo, em nota, o candidato afirmou que sua fala de anteontem foi “deturpada”.

Jornal O Estado de S. Paulo.

OUTRAS NOTÍCIAS